Famílias na quarentena, vocês não precisam dar conta de tudo

Depoimentos sobre o primeiro mês isolados nos mostram como lidar melhor com os sentimentos dessa experiência
mãe segura um bebê e pai coloca a mão nos ombros dela, os dois caminham lado a lado. a mãe aparece de costas e o pai de perfil, só o rosto do bebê está em evidência iStock/arte Lunetas
  • Publicado em: 17.04.2020
por

Tão logo veio a recomendação para se ficar em casa durante a quarentena como forma de prevenção ao novo coronavírus, apareceu uma série de sugestões de atividades para entreter os filhos dispensados da escola e mantê-los ocupados com brincadeiras. Os pais seriam responsáveis por mais essa função: preencher um cronograma com muita criatividade e acompanhar as crianças na diversão ilimitada, além de seguirem trabalhando em regime home office (ou assustados por estarem sem trabalho) e cuidando da rotina doméstica.

O caos de uma pandemia trouxe para dentro de casa também um caos emocional. A angústia de não saber como será o dia de amanhã; a falta de respostas que pode levar a um estado de alerta constante; a pressão por produtividade; a demanda por assumir o papel de tutor dos estudos; a responsabilidade de preparar comidas saudáveis, sem permitir que as crianças se empanturrem de guloseimas; garantir a ordem, limpeza e higiene dos ambientes; administrar as relações familiares entre quatro paredes; e reduzir a distância física, mas manter contato remoto com outros parentes e amigos isolados. Soma-se a essa carga de afazeres o ruído sempre presente de tanta notícia ruim, agora tão pertinho da gente.

É realmente muita coisa, né? Sim, estamos vivenciando uma emergência mundial inédita, porém é uma situação temporária. Vai passar. Vocês estão sendo ótimos, pais! Ninguém precisa ser herói, sabe? É hora de abrir mão dos perfeccionismos e aceitar que não temos controle. Lembrem-se e repitam como um mantra: só é possível fazer o nosso melhor, viver um dia de cada vez e comemorar nossas pequenas vitórias até que tudo isso acabe.

A gente sabe que às vezes é difícil ser gentil consigo mesmo e acolher nossas dificuldades. Por isso, nós do Lunetas estamos aqui para tentar aliviar um pouquinho dessa pressão emocional que vocês, queridas famílias, possam estar sentindo ao acompanhar a evolução de um mundo doente em vários sentidos – e agora também literalmente. Isso porque a forma como nos conectamos aos eventos pode trazer ainda mais desconforto, culpa, ansiedade, sobretudo quando não estamos nas nossas melhores condições emocionais.

De novo, está tudo bem não ser incrível. “Estamos à mercê de eventos externos”, pontua a psicóloga e educadora parental Yolanda Basílio. “Embora não possamos controlar a situação, a gente pode controlar a nossa rotina e reorganizar as nossas prioridades como família. Manter um planejamento diário, considerando as obrigações de cada um e garantindo espaço para que todos manifestem seus sentimentos, é uma estratégia simples para tornar o dia a dia um pouco mais leve”.

Olhar para dentro – de casa e de nós

Dicas sobre o que fazer estão por todos os lados e costumam chegar a nós como imposições, urgentes. Se acessamos as redes sociais, não faltam exemplos de rotinas maravilhosas e experiências de famílias cheias de interações positivas com os filhos. Contudo, é importante lembrar que só o que dá certo é registrado; ninguém compartilha os perrengues da vida sem filtros. “O mais importante é seguir aquilo que funciona para a sua família”, lembra Yolanda.

Embora o planejamento envolvendo todos os membros da família na divisão das tarefas seja útil para se adaptar a esse novo cenário, convidamos vocês a também cuidar do espaço do não fazer. Sim, pais e filhos podem – e devem – fazer nada juntos. “Reserve um momento livre de obrigações, uma pausa para o cafezinho ou até mesmo um breve cochilo, para lidar apenas com as demandas do aqui e agora”, recomenda a terapeuta.

“Quando emendamos uma atividade atrás da outra, entramos em um modo mecânico de ação e reação, e nos afastamos dessa conexão interna com os nossos sentimentos capaz de despertar o nosso potencial criativo e imaginário”

Muitas crianças já não sabem lidar com o tédio, acostumadas a uma agenda cheia desde cedo. Mas mais do que isso: o tédio parece estar proibido em nossa sociedade. Vivenciar o ócio não é visto com bons olhos. Há culpa. Então, permita-se simplesmente ficar um pouco à toa. Nem todo dia será produtivo. Mas todo dia poderá ser melhor se silenciarmos um pouco e direcionarmos nossa atenção de modo a resguardar nossa integridade mental. 

Claro, é importante incentivar as atividades físicas para queimar energia e ter momentos de brincadeira para trazer ludicidade. Vale assistir a um filme juntos ou propor jogos, por exemplo. Mas todos esses estímulos não devem ser só uma outra forma de ocupar os nossos dias e nos distanciar do que realmente faz sentido.

Se a intenção é também aproveitar a oportunidade de afirmar essa relação entre pais e filhos, Yolanda propõe conversas para explicar, dentro do possível e de forma leve e simples, o que está acontecendo, mas sobretudo para validar o que cada um está sentindo, principalmente as crianças. É uma situação nova para todo mundo, cheia de incertezas. Está permitido não dar conta de tudo e não saber o que fazer. Mas, como as crianças aprendem nos observando, devemos “manter a calma, cuidar do nosso sistema de atitudes, estar atento ao nosso comportamento e às nossas ações frente às adversidades”, recomenda. “Pedir desculpa quando se erra é também uma forma de ensinar nossos filhos”.

O isolamento resgatou mais empatia em nível social, “as pessoas passaram a fazer o que não faziam antes: enxergar umas as outras, reconhecer umas as outras, cuidar umas das outras”, escreve Eliane Brum em sua coluna no jornal El País. Mas também nos deu a oportunidade de trazer nossos filhos para mais perto, para estabelecermos uma conexão real, ressignificar as relações, relembrar antigas tradições, praticar uma escuta ativa e participativa, e fortalecer os vínculos que nos unem sobretudo quando enfrentamos desafios juntos.

Mas isso não precisa necessariamente acontecer a partir de ideias mirabolantes de entretenimento e de mais cobrança para as famílias. Pode ser só ajudando a lavar a roupa suja mesmo ou a preparar as refeições. Mais presença, menos listas. Por favor, tentem se lembrar que não existem regras de parentalidade em época de pandemia. “Essas medidas bem simples para serem adotadas no dia a dia podem trazer conforto e algum alívio para que muitas famílias atravessem esse período sem tanta pressão”, indica Yolanda.

A ação mais imediata que o coronavírus nos impõe é ficar em casa para preservar nossa saúde, para garantir a nossa sobrevivência e a dos mais vulneráveis. Contudo, como consequência indireta desse isolamento, o vírus nos devolveu a capacidade de sair do modo automático e desacelerar um pouco, refletir sobre as relações que queremos privilegiar e imaginar um futuro diferente pra gente viver depois da pandemia. Ao invés de fazer com que hábitos antigos caibam em novos cenários, podemos aproveitar a chance que um vírus altamente contagioso e que está fazendo vítimas em todo o mundo, sem querer, nos apresenta de transformação.

Famílias na quarentena

Para tentar dar conta dos sentimentos predominantes nesses primeiros dias de quarentena, procuramos olhar para experiências diversas, abrangendo diferentes classes sociais e diferentes configurações familiares a partir do diálogo com aqueles que são responsáveis pelas crianças. Os depoimentos abaixo mostram como foi este primeiro mês de algumas famílias isoladas.

 

“Coronograma”
“Pétala e Mel são filhas de pais diferentes; nenhum deles ajuda ou mantém contato. No começo do confinamento, tive muito medo, sobretudo de ficar doente. Quem cuidaria das minhas filhas? Senti falta de ar mesmo sem ter o coronavírus. Depois de reorganizar a rotina familiar, conversei com as meninas sobre o que estava acontecendo. Decidimos elaborar um cronograma, que apelidamos de ‘COROnograma’, para organizar tempo de estudo, diversão, refeições e hora de ir para a cama. Na segunda semana, eu estava mais leve, mais tranquila. Me sinto egoísta. Apesar de triste pelo que o mundo está passando, estou gostando de ficar em casa com minhas filhas e me dedicar 100% a elas. Estamos seguras e alimentadas. Temos pouca coisa aqui, mas nunca tivemos muito. Podemos brincar, dançar, estudar, cozinhar… e o melhor: sem pressa! Neste momento, não estou buscando aprender nada. Estou apenas tentando sobreviver e olhar o lado bom.” – Mariana Hilarino, mãe solo da Pétala, 13 anos, e da Mel, 9 anos
A cura
“Trabalhamos fora e sentimos falta de ter mais tempo para ficarmos juntos. Bebel questiona: ‘Como vai ser depois? Quando é o depois?’. Eu, Thaís, me apeguei ainda mais à Umbanda. Estou resignada, concentrada em emanar boas energias para o planeta. Vai ser muito difícil passar por isso, mas vamos nos reerguer como der. Temos casa, comida, trabalho, saúde e temos uns aos outros. Então, estamos bem. João Henrique, mais introspectivo, se preocupa principalmente com os avós que têm mais de 90 anos. Tem sido estranho ficar sem os almoços de domingo em família, mas a tecnologia tem nos aproximado. Em casa, tentamos distrair a cabeça: jardinagem, lives de música, comidas diferentes. A divisão de tarefas tem incluído até a Bebel, que está orgulhosa em passar aspirador e cuidar do seu quarto. A rotina da escola se mantém e o volume de conteúdos está bastante intenso. Sobre aprendizados, destacamos a empatia: se colocar no lugar do outro e respeitar o seu espaço. Desejamos que as famílias se conheçam melhor, se respeitem e enfrentem isso juntos, como um time. Quando a gente passa por dificuldades, os vínculos criados não se desfazem tão facilmente. Devemos nos focar na cura num sentido amplo, não só no sentido de uma doença patológica, embora também seja o que queremos para todo o mundo, mas a cura como evolução, regeneração individual de defeitos, vícios, relações tóxicas.” – João Henrique Siqueira e Thaís Germano Pereira, pais da Maria Isabel, 7 anos
Separados, mas juntos
“Em 2018, Camilla e eu nos separamos. Apesar disso, não formalizamos um regime de guarda compartilhada do Paulo. Seguimos próximos e convivemos principalmente aos fins de semana. Para o período de quarentena, optamos por ficar confinados na mesma casa. Assim, conseguimos dar suporte um ao outro, seja emocionalmente ou nas tarefas diárias, e ficamos ambos 100% presentes no dia a dia do Paulo. Camilla está mais apreensiva e ansiosa com a incerteza do que pode acontecer e como as pessoas estão se comportando. Tememos sobretudo pelo Paulo, que tem um longo histórico de bronquite. Queremos mantê-lo isolado e saudável nesse período. Por outro lado, a experiência de estarmos juntos traz muita colaboração, cuidados mútuos e novas responsabilidades. Paulo, no meio disso tudo, está superfeliz e vivendo seu mundo de brincadeiras. O momento é difícil e desconhecido para nossa geração, é assustador pensar no que pode acontecer conosco e com nosso filho, mas temos a certeza que unidos somos mais fortes. O sentimento comum entre nós é que sairemos desse período mais solidários e menos orgulhosos e egoístas. Esse desacelerar obrigatório e imediato que tivemos nos faz pensar, rever o modo de vida e retomar a simplicidade das coisas.” – Rafael Emina e Camilla Azzoni, pais separados, estão morando juntos durante a quarentena para ficar perto do Paulo, 5 anos
O que importa
“Rafaela está mais carente, querendo colo, principalmente da Simone, que antes trabalhava fora. Ficar confinada, cuidar da casa e trabalhar em regime home office torna-se um super desafio. Essa experiência bastante diferente também estressa um bebê. Sentimos um misto de que temos que continuar firmes e uma certa tristeza por tudo o que está acontecendo. Há preocupação com as questões do trabalho, com nossos familiares idosos, com as pessoas que amamos. Então, buscamos dentro de nós força para transformar o medo e as incertezas. As duas primeiras semanas foram mais difíceis, estávamos nos adaptando, acabamos nos desentendendo um pouco por motivos pequenos. Agora estamos mais atentas, cuidando uma da outra, conversando bastante. Quando percebemos que exageramos, pedimos desculpas. Desejamos que as outras famílias fiquem juntas; os pequenos cuidados do dia a dia fazem a diferença. Não descontem o estresse do momento no outro. Depois que tudo passar, acreditamos que aprenderemos a valorizar o convívio social, a vida, o que realmente importa.” – Priscila Willwohl e Simone Lopes, mães da Rafaela, 11 meses
Realidade à porta
Durante a apuração desta reportagem, Adriana e Josimar, que criaram o canal Família Quilombo, precisaram declinar do convite. Akins, o filho mais velho do casal, estava sob suspeita de coronavírus. Com a notícia, Adriana declarou: “Sinto que não poderemos contribuir nesse momento que estamos vivendo. Fomos colocados em isolamento social, agora com risco. Então, precisamos respirar e ainda dar conta da ansiedade das crianças.” Dias depois, antes da matéria ir ao ar, tivemos boas notícias: está tudo bem agora! – Adriana Arcebispo e Josimar Silveira, pais de Akins, 8 anos, e Dandara, 4 anos

Lunetas deseja que todas as famílias fiquem bem. Cuidem-se!

Querida gestante, você recebeu uma carta em meio à pandemia

Brincadeiras revelam como crianças estão lidando com a pandemia

Coronavírus: 8 sugestões do Unicef de como conversar com crianças

 

Resumo

O mundo está sofrendo com o novo coronavírus, mas as famílias que podem ficar em casa têm a oportunidade de cuidar da relação com seus filhos. A transformação não vem em receitas. Ela acontece dentro de cada um, quando nos dispomos a repensar como queremos viver.
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail