15 filmes transformadores para assistir nas férias

Confira uma seleção de filmes que ampliam nosso olhar para causas sensíveis
Imagem de uma menina negra brincando de telefone sem fio Reprodução Disque Quilombola
  • Publicado em: 14.01.2020
da Redação

Janeiro é sinônimo de férias para crianças e professores. Para ajudar com ideias de coisas divertidas para fazer, o Videocamp preparou uma uma seleção de filmes transformadores – e inspiradores – que abordam temas relevantes de forma leve, ideal para assistir junto com as crianças e toda a família.

O Videocamp é uma plataforma que reúne filmes de impacto disponíveis para exibições públicas gratuitas – basta reunir cinco pessoas para poder assistir.

Para o Videocamp, filmes de impacto são aqueles que apontam causas urgentes, que retratam situações que precisam ser destacadas, que ampliam o nosso olhar para temas sensíveis e que, sobretudo, promovem um mundo mais justo, solidário, sustentável e plural. Reúna a turma e prepare a pipoca!

Filmes transformadores para assistir nas férias

Capa do filme “ Toda Coração” – Flávio Moraes, uma menina sentada entre almofadas
“Toda Coração” “Toda Coração” conta a história de Marina, uma garota de sete anos de idade com uma difícil missão: convencer sua irmã mais velha, Lara, a passar por uma cirurgia experimental de coração. Lara tem nove anos e sofre de uma síndrome cardíaca que faz com que seu coração dispare em determinadas situações, como, por exemplo, quando toma um susto. Esta condição fez com que as irmãs desenvolvessem um gosto incomum para leitura, especialmente em relação à poesia. Em meio ao desafio familiar que se instaura quando um jovem médico propõe uma cirurgia experimental, a família precisa aprender a lidar com seus medos e sua resiliência. É no campo do encontro entre a ciência e a poesia que Marina articula sua família para o enfrentamento da situação, transformando não só a vida de sua irmã, como a do jovem médico.
Capa do filme “Carnaval dos deuses” – Tata Amaral, quatro crianças sentadas a mesa brincando
“Carnaval dos Deuses” Jacob, Mairun e João têm seis anos e confeccionam suas fantasias de carnaval para a festa da escola em “Carnaval dos Deuses”. Ana não participa da atividade porque acredita que carnaval seja pecado. Essa situação causa espanto entre os amiguinhos que iniciam uma conversa sobre suas diferentes origens religiosas. Chegam à conclusão de que na festa de carnaval todos os deuses são bem vindos.
Capa do filme “ O Mar de Teresa – Dilea Frate, foto de uma menina com uma mochila em suas costas, dentro tem uma garrafa
“O Mar de Teresa” Teresa queria o impossível: ter um mar no quintal de sua casa. Como não podia conseguir isso, ela inventou um plano mirabolante que a levou a uma descoberta muito pessoal. O filme mistura animação e fotografia de cinema de uma maneira peculiar: a realidade está na animação e o sonho nas pessoas de verdade. O “Mar de Teresa” é um curta-metragem adaptado do livro infantil “A Menina que Carregou o Mar nas Costas”, foi escrito por Dilea Frate e ilustrado pela italiana Simona Traina, que também assinam o roteiro e os desenhos do curta-metragem.
Capa do filme “Menina Espantalho – Cássio Pereira dos Santos, foto de uma menina virada com a cabeça pra baixo
“Menina Espantalho” Luzia mora no campo com seus pais e o irmão, Pedro. Quando Pedro começa a ir à escola, Luzia quer acompanhá-lo, mas é impedida pelo pai. Enquanto vigia um arrozal, ela busca outros caminhos para aprender a ler em “Menina Espantalho”.
Capa do filme “Sonhando Passarinhos – Bruna Carolli, imagem de uma menina com passarinhos
“Sonhando Passarinhos” Era uma vez uma menininha que olhava para o céu e nele enxergava a felicidade. Em “Sonhando Passarinho”, uma felicidade feita de sonhos, passarinhos e pregadores de roupa.
Capa do filme “Parece comigo” – Kelly Cristina Spinelli, foto de uma menina negra em sala de aula segurando uma boneca
“Parece comigo” “Meninas negras não brincam com bonecas pretas”, diz a letra do rap de Preta Rara, uma das personagens de “Parece Comigo”. O documentário explora o problema da falta de bonecas negras no mercado brasileiro e mostra o trabalho das bonequeiras que tentam mudar esse cenário, enfrentando a gigante indústria de brinquedos por meio de seu artesanato consciente.
Capa do filme “Podados – Huli Balász, uma menina com a mão na boca, e um olho mágico
“Podados” Joana, uma pequena menina, pergunta a sua professora sobre a existência de uma nova cor, que ainda ninguém tivesse visto. A partir da resposta que obtém, a menina se vê motivada a embarcar em uma aventura rumo à tal descoberta. O filme “Podados” aborda três principais questões: A forma como a sociedade (família, escola, igreja etc) desencoraja ou limita o senso de inventividade na criança; Como na alegoria da Caverna de Platão, uma forma de pensamento mais abrangente, por exemplo quando se trata da existências de coisas que ainda não “foram comprovadas cientificamente”, um tipo de “pensar fora-da-caixa”. A representatividade da mulher negra, no caso aqui da criança negra como sujeito que também questiona, contesta e se aventura. Em narrativas fílmicas estes atributos são geralmente designados a meninos e quase sempre eles são brancos
Capa do filme “Peripécias de uma rainha entediada – Ricardo Quintana
“Peripécias de uma rainha entediada” “Peripécias de uma rainha entediada” apresenta para as crianças o quadro “D. Pedro II” de Victor Meirelles e, a partir da curiosidade de uma rainha entediada sobre o Imperador do Brasil, as crianças acompanham sua visita à Exposição Universal da Filadélfia, em 1876, e descobrem que foi nela que o Imperador conheceu Graham Bell e o telefone. A animação se inicia com a chegada da Rainha Margot no Castelo de Van-Pudim e seu encontro com alguns de seus moradores. Entre eles, temos o Sr. Mau, mordomo que planeja uma forma de expulsar a Rainha para demolir a biblioteca secreta, Benício, filho muito inteligente do Sr. Mau, e Abigail, que se denomina Fada do Conhecimento para irritação da Rainha que insiste que ela é apenas uma coruja com poderes mágicos.
Capa do filme “Menine – Rafael Caldo, foto de uma menino com os braços abertos
“Menine” Em “Menine”, Leonardo é um garoto que não se identifica como menino. Dentro de uma sociedade conservadora e preconceituosa, ele quer ser quem quiser.
Capa do filme “Comportagem, porquenão? – Guto Zorello e João Santiago
“Compostagem, PorQueNão?” O mini documentário “Compostagem, PorQueNão?” explora a realidade dessa prática – a compostagem – que pode solucionar mais de 50% dos problemas relacionados ao que hoje chamamos de “lixo”. Com linguagem simples e estética dinâmica, o filme aborda a temática de forma transdisciplinar, divertida e didática, oferecendo alguns caminhos práticos nas mais diversas escalas, desde a compostagem doméstica até os pátios de compostagem. São 9 entrevistados conectados de várias formas a esse universo.
Capa do filme “Balu – Paula Gomes , foto de uma criança em um beco
“Balú” O melhor amigo do menino é Balú, um cachorro vira-lata. Mas a sua mãe não permite que o cão fique em casa. Um dia Balú desaparece misteriosamente. Em busca do amigo perdido, o menino vai descobrir o mundo à sua volta.
Capa do filme “Disque Quilombola” – David Reeks, imagem de uma menina negra brincando de telefone sem fio.
“Disque Quilombola” Crianças do Espírito Santo conversam de um jeito divertido sobre como é a vida em uma comunidade quilombola e em um morro na cidade de Vitória. No filme “Disque Quilombola”, por meio de uma genuína brincadeira infantil, os dois grupos falam de suas raízes e desvelam o quanto a infância tem mais semelhanças do que diferenças.
Capa do filme “Crisálida – Serginho Melo, um adolescente andando com sua mae
“Crisálida” No filme “Crisálida”, um adolescente surdo, que sempre conviveu entre ouvintes, reconstrói a sua relação com o mundo quando começa a aprender a Língua Brasileira de Sinais (Libras) e acessar sua verdadeira cultura.
Capa do filme “Bá – Leandro Tadashi, imagem de um menino sentado com sua vó
“Bá” O menino Bruno é obrigado a lidar com as mudanças que ocorrem em sua vida quando sua “Bá” (de “Batchan”, avó em japonês) é trazida para morar em sua casa.
Capa do filme “O Segredo – Alunos da Escola, foto de uma menina com roupa de balé
“O Segredo – Alunos da Escola” No ano de 2092, em “O Segredo – Alunos da Escola”, Ester é uma garotinha de 8 anos de idade que mora longe da cidade em um povoado excluído da sociedade por serem pobres demais. Em uma de suas andanças, Ester encontra algo que lhe mostrará o que o passado da humanidade preparou para sua geração. 

Leia mais

‘Ele está dentro de você’: 10 filmes sobre morte, vida e luto

Resumo

A plataforma Videocamp fez uma lista com filmes que abordam temas relevantes de forma leve. Ideal para reunir a turma e assistir nas férias. Dá o play!
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail

Últimos posts