Conheça 5 projetos a favor da leitura para todas as crianças

Projetos dedicados a democratizar o acesso à literatura desde a infância promovem a leitura entre crianças de escolas públicas e em vulnerabilidade social
iStock/arte Lunetas
  • Publicado em: 18.11.2020
da Redação

A função social da literatura infantojuvenil permeia as propostas desses projetos apresentados pelo Lunetas que têm como objetivo comum democratizar o acesso aos livros e contribuir para a formação de sujeitos críticos e cidadãos mais participativos. Afinal, literatura é um “direito inalienável”, defendia Antonio Candido.

A literatura é o sonho acordado das civilizações

Conheça a seguir projetos que combinam literatura, infância e o aspecto social

  • Projeto Ubuntu 

Projeto 100% colaborativo arrecada doações de livros infantis para montar bibliotecas (a primeira será no Povoado Leite, no Maranhão). Para ajudar, cada um pode escolher o livro que deseja doar contra emissão de boleto (sem frete) ou doar um livro usado em boas condições. O objetivo é que “todas as crianças, sejam elas pobres ou ricas, negras ou brancas, tenham o mesmo acesso à leitura e possam traçar um caminho rico em possibilidades.” 

  • Programa Myra 

Há cinco anos, o programa de voluntariado Myra busca estimular o hábito da leitura entre crianças. Os encontros presenciais em escolas públicas e ONGs de São Paulo se adaptaram para o formato on-line e os estudantes do 4º ao 6º ano do ensino fundamental acessam de casa sessões semanais formativas com um voluntário (profissionais das áreas de educação, cultura, artes, comércio, letras ou aposentados) para ler diferentes gêneros e formatos. Para o programa, a leitura é “um direito de todos e via de acesso aos bens culturais construídos pela humanidade”.

  • Rodas de leitura

Para combater a vulnerabilidade social por meio da ação cultural e da democratização da literatura, o projeto promove encontros virtuais semanais de escritores com crianças e jovens da rede pública de ensino da Favela da Malacacheta, no Morro do Alemão, Rio de Janeiro. Escritores são escolhidos pela curadoria, todos recebem um exemplar do livro trabalhado e professores especializados promovem a mediação em torno das obras direcionadas a faixas etárias específicas (5 a 8 anos; 9 a 12; e 13 a 21 anos). A interação com os autores acontece no último encontro de cada ciclo. 

  • Amigos da Leiturinha

Projeto social busca incentivar o hábito da leitura infantil a partir da captação, seleção e doação de livros infantis a instituições que atendem crianças (hospitais, ONGs, creches e escolas por todo o país). O planejamento prevê quatro ações por ano e incluir contações de histórias com os pequenos nas instituições, além de oferecer um kit com um livro indicado para cada idade.

  • Eu quero minha biblioteca

Nascida em 2012 na esteira da Lei 12.244/10, a campanha atua na “produção e divulgação de argumentos para defender a importância da biblioteca da escola, preferencialmente aberta à comunidade, informações sobre recursos públicos que podem ser acessados para viabilizá-las e caminhos de incidência da sociedade civil junto ao poder público”.

A “lei das bibliotecas escolares” estabeleceu em caráter obrigatório a instalação de bibliotecas em todas as instituições de ensino básico do país, das redes públicas e privadas, com acervo mínimo de um livro para cada aluno matriculado e um bibliotecário por escola, até 2020. Apesar disso, segundo o Anuário Brasileiro da Educação Básica 2019, apenas 45,7% das escolas públicas contam com bibliotecas ou salas de leituras. Ano passado, a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 9.484/18, que cria o Sistema Nacional de Bibliotecas Escolares (SNBE) para incentivar a implantação de bibliotecas escolares, promover a melhoria do funcionamento da atual rede de bibliotecas escolares, definir a obrigatoriedade de um acervo mínimo de livros e materiais de ensino, além de buscar prorrogar para 2024 o prazo para a universalização das bibliotecas escolares.

Segundo pesquisa realizada em 2018 pelo Instituto Pró-Livro, o fato de uma escola ter uma boa biblioteca impacta diretamente no nível de aprendizado dos estudantes medido pela Escala do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), sobretudo entre aqueles que estudam em áreas mais vulneráveis do ponto de vista social e econômico.

Leia mais

Lua Oliveira: de vítima de racismo à embaixadora mirim de livros

Resumo

A literatura cumpre seu papel social se acessível a todas as pessoas, como um direito. Conheça projetos que buscam garantir a democratização do acesso à literatura desde a infância, sobretudo entre crianças de escolas públicas e em vulnerabilidade social.
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail