Moderninhos: atividades para o centenário da semana de 1922

Para celebrar e refletir sobre o centenário da semana de 1922, diversos eventos atendem crianças e adultos interessados em história da arte. Confira!
iStock/Arte Lunetas
  • Publicado em: 21.01.2022
da Redação

Em 13 de fevereiro de 1922, artistas de todo o tipo se reuniram no Theatro Municipal de São Paulo durante uma semana para debater os rumos que a arte tomaria no Brasil. Rompendo com movimentos estéticos passados e querendo modernizar o “fazer arte” no país, o centenário da semana de 1922 chega com diversos eventos presenciais para contar um pouco da história da arte para adultos e crianças. Se as atividades presenciais não forem possíveis no momento, tem também visitas on-line para realizar sem sair de casa.

Centenário da semana de 1922 – atividades para pequenos modernistas

  • Exposição “22 Periférico”

Que vozes de 1922 ecoam nas periferias? Em “22 Periférico”, releituras de obras dos principais artistas do movimento Modernista atualizam os debates da Semana de Arte Moderna de 22 para os conflitos observados nas margens da cidade. As obras são produzidas por cinco artistas periféricos, ex-aprendizes da Fábricas de Cultura Brasilândia. A mostra também exibe o filme “Novamente 22” (Coletivo Zéfiro Norte, 2021), que constrói uma linha do tempo modernista entre o Theatro Municipal de São Paulo e a Cinemateca Brasileira.
Data: até 27/2
Local: Fábrica de Cultura Brasilândia – Av. General Penha Brasil, 2508 – Vila Nova Cachoeirinha

  • Museu Afro Brasil: Arqueologia amorosa de São Paulo

Com curadoria de Emanoel Araújo, a exposição vasculha a memória da capital paulista por meio de fotografias, manuscritos, carnavais e objetos. Passando pela arquitetura de nomes como Lina Bo Bardi e Paulo Mendes da Rocha, a exposição destaca nomes que construíram o imaginário paulistano. A entrada é gratuita às quartas-feiras. Requer agendamento prévio.
Datas: 25/1 a 30/6, das 10h às 17h
Endereço: Parque Ibirapuera – Portão 10. Av. Pedro Álvares Cabral, s/n – Vila Mariana

  • Museu Afro Brasil: Padre Jesuíno do Monte Carmelo aos olhos de Mário de Andrade

Com curadoria de Maria Silvia Barsalini e Emerson Ribeiro, a mostra é uma das últimas pesquisas de Mário de Andrade, que aborda pinturas de igrejas e conventos de Itu e São Paulo realizadas pelo Padre Jesuíno. Além de padre, Jesuíno foi um artista que passeou pelas áreas da pintura, música e composição. A exposição conta com 27 obras de grande dimensão. A entrada é gratuita às quartas-feiras. Requer agendamento prévio.
Datas: 25/1 a 30/6, das 10h às 17h
Endereço: Parque Ibirapuera – Portão 10. Av. Pedro Álvares Cabral, s/n – Vila Mariana

  • Centro Cultural Fiesp: Era uma vez o moderno

Feita em parceria com o IEB/USP (Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo), a mostra reúne diários, cartas, manuscritos, fotos e obras dos artistas e intelectuais que fizeram parte de diversas iniciativas em torno da implantação de uma arte moderna no Brasil, entre 1910 e 1944. A entrada é gratuita e requer agendamento prévio.
Data: até 29/5, das 11h às 20h 
Endereço: Av. Paulista, 1313 – Bela Vista

  • Pinacoteca: A máquina do mundo

A exposição “A máquina do mundo” examina as várias formas pelas quais a atividade industrial, desde o século XX, atravessa o pensamento da arte feita no Brasil. O título da exposição é inspirado no poema de mesmo nome de Carlos Drummond de Andrade, publicado em 1951. A entrada é gratuita aos sábados e requer agendamento prévio.
Datas: até 21/2, das 10h às 18h
Endereço: Praça da Luz, 2 – Luz

  • Estação Pinacoteca: John Graz: idílio tropical e moderno

A mostra conta com cerca de 155 itens que passam pelas produções artísticas e interação com a temática indígena, fauna e flora, história e cultura popular brasileira de John Graz. Também poderão ser apreciados pelo público mobiliários com design moderno e brasileiro, estudos de arquitetura, decoração e fotos de ambientes que o artista idealizou. A entrada é gratuita e requer agendamento prévio.
Datas: até 31/1, das 10h às 18h
Endereço: Largo General Osório, 66 – Santa Ifigênia

  • CCBB SP: Brasilidade pós-modernismo

Com curadoria de Tereza de Arruda, a mostra conta com obras de 51 artistas contemporâneos brasileiros. A produção artística é pautada no legado da ousadia artística cultural proposta pelo Modernismo. Visitas mediadas acontecem diariamente (exceto às terças), às 12h, 16h30 e às 18h; visitas mediadas em Libras estão disponíveis às quintas-feiras e aos sábados, às 16h30. A entrada é gratuita e requer agendamento prévio. 
Datas: até 7/3, das 12h às 18h
Endereço: R. Álvares Penteado, 112 – Centro Histórico de São Paulo

  • SP Escola de Teatro: Universo Pagu

Mais do que retratar elementos da vida de Patrícia “Pagu” Rehder Galvão, a exposição enfatiza aspectos histórico-arquitetônicos do prédio onde funciona a sede Brás da SP Escola de Teatro, o entorno do bairro e relações éticas e estéticas da artista com o movimento de 1922. A entrada é gratuita.
Datas: até 24/2, das 10h às 18
Endereço: Av. Rangel Pestana, 2401 – Brás

  • Fábrica de Cultura de São Bernardo do Campo: Villa-Lobos para as crianças

A equipe da biblioteca da fábrica convida o público a participar de uma contação de história inspirada em dois livros: “Villa-Lobos”, de Nereide S. Santa Rosa e Angelo Bonito, e “Villa-Lobos – O florescimento da música brasileira”, de Manuel Negwer. A entrada é gratuita. 
Data: 25/1, às 11h
Endereço: Av. Armando Ítalo Setti, nº 80 – Baeta Neves, São Bernardo do Campo

  • Visita on-line: Obras modernistas sem sair de casa

Um roteiro no Google Maps com mais  de 40 pontos da cidade de São Paulo que contam com coleções de arte moderna. Alguns dos destaques são:Pinacoteca do Estado de São Paulo, MASP (Museu de Arte de São Paulo), MAM (Museu de Arte Moderna de São Paulo), MAC (Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo) e o Parque Trianon. A atividade é gratuita e com audiodescrição disponível.
Datas: até 28/2
Onde acessar: Mapa do Modernismo em São Paulo

  • Visita on-line: Transformações de São Paulo nos anos 30 e 40

A mostra “Na paisagem de São Paulo: Rebolo e o Grupo Santa Helena” destaca a relevância desses artistas-artesãos na consolidação do modernismo brasileiro e nos desdobramentos do impacto cultural pós Semana de Arte Moderna de 1922. Com  Alfredo Volpi entre seus membros, o Grupo Santa Helena reunia-se no Palacete Santa Helena, localizado na Praça da Sé, para trocar experiências e conhecimentos. A atividade é gratuita.
Datas: até 28/2
Onde acessar: Acervo Artístico-Cultural dos Palácios do Governo do Estado de São Paulo

Resumo

Para celebrar e refletir sobre o centenário da semana de 1922, diversos eventos atendem crianças e adultos interessados em história da arte. Confira!
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail