Múltiplos céus indígenas são tema de mostra virtual

iStock/arte Lunetas
  • Publicado em: 12.02.2021
da Redação

Como o céu é visto pela perspectiva de uma criança indígena? A pandemia de coronavírus mudou as relações de povos originários com o ato de observar o céu? Idealizada pelo Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST) e o Museu do Índio, a mostra virtual “Os Céus dos Povos Originários” reúne 30 obras feitas por crianças e adolescentes indígenas entre 5 e 15 anos, explorando o potencial lúdico da percepção jovem em relação ao céu. A exposição iniciou em 22 de janeiro e tem prazo indeterminado para sair do ar. 

O intuito da exposição é desmistificar a ideia estereotipada de homogeneidade em relação aos povos originários. Crianças e adolescentes de 12 povos indígenas participam da mostra: Fulni-ô, Guarani Mbya, Guarani Nhandeva, Guarani-Kaiowá, Puri da Mantiqueira, Manoki e Timbira, Tingui-Botó, Tupiniquim, Tabajara e Tapuio-Itamaraty, Kariri e Pitaguary. 

A coordenação é de Victória Flório Pires de Andrade, além de curadoria realizada por Alanna Dahan Martins, Kamylla Passos e Priscila Faulhaber, do MAST, e Alexander Noronha de Albuquerque, Bruna Cerqueira Sigmaringa Seixas, Carolina das Neves Francisco Lopez e Francisco Gomes Gonçalves, do Museu do Índio. 

Veja todas as obras da mostra “Os Céus dos Povos Originários”. 

Aviso

As informações acima são de responsabilidade do organizador do evento e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

Tenha Lunetas no seu e-mail