Carregando...

Casa nos trinques: projeto reforma e decora abrigos infantis

Em busca de bem estar físico e psicológico, arquitetos e decoradores reformam casas que acolhem crianças. Veja como apoiar!
Reforma de serviços de acolhimento Maria Ines Antich
  • Publicado em: 30.10.2018
da Redação

A designer de interiores Katia Perrone atuava como voluntária em um serviço de acolhimento para crianças na cidade de São Paulo e percebendo as necessidades do espaço, realizou uma reforma por conta própria. Logo se deu conta que, de forma solitária, seria muito difícil fazer a revitalização dos espaços de mais casas.

Em um encontro com o colega arquiteto Vicente Parmigiani, decidiram fazer um projeto social nos moldes de uma “Mostra de Decoração”, contando com a parceria dos profissionais do portal Diário do Arquiteto, que voluntariamente se uniram à causa. Assim nascia o projeto DAdobem e foram entregues três reformas graças a uma rede com mais de 50 profissionais, 180 empresas e fornecedores parceiros.

Como resultado da iniciativa originou-se a Decor Social, uma associação sem fins lucrativos que promove reforma e decoração de abrigos de crianças e adolescentes, de zero a 18 anos, que estão à espera de adoção ou em situação de vulnerabilidade social. A partir da captação de recursos via crowdfunding realizam a reforma completa da unidade, para de promover um ambiente de moradia saudável.

A presidente Katia Perrone conta que as crianças participam de encontros com os profissionais e contam seus desejos de mudança. “Elas colocam seus sonhos, personagens e times que gostam, cores, ficam livres para expressar suas vontades”, descreve.

Como resultado de um ambiente acolhedor, nasce um lar que passa a ser mais cuidado pelos moradores. “Após a reforma as crianças começaram a ficar mais em casa, a se interessar mais pelos estudos porque tem um local  para estudar, a participar mais dos afazeres da casa e passaram também a convidar os amigos porque agora se orgulham da casa que tem”, explica Kátia.

Sem dúvida o ambiente mexe com a autoestima dessas crianças, existem estudos recentes sobre “design for happiness” que comprovam a influência de um ambiente agradável, sadio e com móveis adequados na mente das crianças.

Se você é fornecedor, profissional ou trabalha em um abrigo que pode ser beneficiado, é só clicar aqui.

O que é o acolhimento institucional?

Acolhimento institucional é uma medida de proteção, excepcional e provisória, prevista pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). É aplicada em casos de ameaça ou violação de direitos de crianças e adolescentes, somente quando não há alternativas para permanência no convívio familiar.

No Brasil, o olhar sobre os serviços de acolhimento passou por uma longa trajetória de mudanças, como atenta a coordenadora geral do Instituto Fazendo História, Isabel Penteado. Antes considerados espaços de abandono, caso de orfanatos, educandários e colégios internos, amparados pelo Código do Menor, essas instituições se reorganizaram a partir da promulgação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), em 1990.

Segundo o Levantamento Nacional das Crianças e Adolescentes em Serviços de Acolhimento, do Ministério do Desenvolvimento Social (2011), cerca de 2.624 serviços de acolhimento institucional atendiam 36.929 mil crianças e adolescentes em todo o país, naquele momento. Principais motivos de acolhimento: 37,6% negligência na família; 20,1% pais ou responsáveis dependentes químicos; 11,9% abandono e 10,8% violência doméstica.

Leia também

Fazendo História: projeto ajuda crianças a conhecerem sua origem

Apadrinhamento afetivo fortalece crianças que vivem em abrigos

 

 

Resumo

Para promover um ambiente saudável de moradia, um grupo de arquitetos cria campanhas de financiamento coletivo para reformar e decorar casas que acolhem crianças em situação de vulnerabilidade social.
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail ou WhatsApp