Carregando...

Bernardo Toro: o que a crise climática tem a ver com a educação

Durante o 5 º Seminário Internacional de Educação Integral, Bernardo Toro ministrou uma aula magna sobre o paradigma do cuidado
bernardo-toro Thiago Luís de Jesus e Helder Lima / Cenpec Educação
  • Publicado em: 27.09.2019
por

Pare por alguns segundos e tente responder a essa pergunta: Qual é o maior problema que o Brasil enfrenta atualmente?

Esta provocação foi feita pelo filósofo Bernardo Toro durante sua aula magna sobre o paradigma do cuidado no 5º seminário Internacional de Educação Integral, em São Paulo (SP). Bernardo Toro é um dos mais importantes pensadores da educação e da democracia na América Latina, é diretor da Fundação Avina da Colômbia e mestre em pesquisa e tecnologias educacionais.

Sua resposta foi na contramão do que esperava a plateia. Ele afirma que a maior adversidade que o Brasil e a Colômbia, seu país de origem, enfrentam hoje chama-se crise climática.

“A crise climática será o determinante das transformações educacionais, políticas e econômicas da espécie humana. É o que de mais grave aconteceu nos últimos cem mil anos e nos trará consequências para toda a espécie. Nós, enfrentamos pela primeira vez, o desafio para o qual temos pouco tempo para nos preparar.

E o que a crise climática tem a ver com a educação? O filósofo afirma que a crise climática vai transformar a nossa forma de pensar, fazer, agir, comer, produzir e consumir.

A expressão “mudança climática” refere-se a qualquer alteração do clima que ocorra ao longo do tempo devido à variabilidade climática natural ou atividades humanas.

Atividades como a agropecuária (que libera poluentes por causa de fertilizantes e dos dejetos do gado bovino), o descarte de lixo, a queima de combustíveis fósseis, como carvão e petróleo, e mudanças no uso do solo (como o desmatamento) emitem grande quantidade de gás carbônico, entre outros poluentes. A retenção desses gases na atmosfera causa perturbações em suas dinâmicas e fenômenos, como o efeito estufa. A principal evidência disso é o aquecimento global.

Não podemos parar de consumir e também não podemos parar de produzir se quisermos viver. Sendo assim, a pergunta que devemos nos fazer é: como viver, como consumir, nessa nova configuração?

Para ele, que já atuou como assessor dos ministérios da educação no Brasil e na Colômbia, “somente o cuidado vai nos dizer o que podemos fazer na educação, na política, na economia”. Toro enfatiza que, historicamente cuidado foi uma questão feminina. Depois passou a ser vista como uma questão de saúde, no sentido que os doentes precisam de cuidado.

Foi o teólogo Leonardo Boff que, no livro “Saber cuidar: Ética do humano – compaixão pela terra”, estruturou o cuidado como grande ordenador da realidade das novas gerações. Um livro que foi determinante para a discussão no mundo a respeito do cuidado.

Poder prever, prevenir e controlar o risco da autodestruição da espécie humana e fortalecer nosso relacionamento e autopercepção como uma espécie única que se comporta como uma família humana requer uma nova ordem ética.

Cuidar de si

O cuidado não é uma opção: aprendemos a cuidar ou perecemos
Leonardo Boff

Saber cuidar: Ética do humano – compaixão pela terraTudo o que existe e vive precisa ser cuidado para continuar a existir e a viver – uma planta, um animal, uma criança, um idoso, o planeta Terra. Uma antiga fábula diz que a essência do ser humano reside no cuidado. O cuidado é mais fundamental do que a razão e a vontade. Este livro procura detalhar o cuidado em suas várias concretizações – cuidado com a Terra, com a sociedade sustentável, com o corpo, com o espírito, com a grande travessia da morte. A ótica do cuidado funda uma nova ética, compreensível a todos e capaz de inspirar valores e atitudes fundamentais para a fase planetária da humanidade.

Quando amamos, cuidamos e quando cuidamos, amamos. O cuidado constitui a categoria central do novo paradigma da civilização que está emergindo no mundo todo. Citando o filósofo e teólogo Lernardo Boff, Bernardo Toro explica que o cuidado assume uma função dupla de prevenção a futuros danos e regeneração de danos passados.

Cuidar do espírito

“A maioria de vocês são pessoas altamente espirituais por uma questão: Vocês trabalham todo dia e noite evitar e diminuir a dor da ignorância, a dor da exclusão”, sustentou o pesquisador para uma plateia formada principalmente por educadores.

Ele defendeu que ensinemos autoconhecimento e autorregulação às crianças. “Somente a autorregulação pode dar liberdade ao ser humano, não há nada que possa trazer liberdade ao Brasil, não há nada que nos possa fazer livres, se não a capacidade de nós mesmos nos darmos ordens”, afirmou.

Este autoconhecimento permite se valorizar, lhe permite se autorregular para conseguir aquilo que é necessário para construção social. Sem a autorregulação não vai ser possível que o ser humano tome as condutas para enfrentar as crises climáticas. “Imagine a disciplina necessária para sobreviver na escassez”.

Cuidar do próximo

A crise climática vai precisar de algo muito importante que é o fortalecimento dos vínculos emocionais porque provavelmente vamos sumir como espécie. “O vínculo é a certeza que existem outras pessoas que me aceitam assim como eu sou”, demonstrou.

Para encerrar, Toro tocou no tema de suicídio entre os jovens e sustentou que os casos estão crescendo de forma assustadora porque não estamos criando vínculos. “Vínculo com a sociedade começa com segurança na escola. As crianças que crescem dessa maneira dificilmente vão trazer danos ao patrimônio público, dificilmente vão destruir os bens públicos”. 

Leia também

‘Nós também queremos ter direito ao futuro’, diz Catarina Lorenzo

Resumo

A crise climática será o determinante das transformações educacionais, políticas e econômicas da espécie humana. Para Bernardo Toro, o cuidado assume uma função dupla de prevenção a futuros danos e regeneração de danos passados.
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail ou WhatsApp