Carregando...

‘Nós também queremos ter direito ao futuro’, diz Catarina Lorenzo

Conversamos com Catarina Lorenzo, 12, ativista brasileira integrante do grupo de jovens que discursaram na ONU, ao lado de Greta Thunberg
Catarina Lorenzo UNICEF
  • Publicado em: 26.09.2019
por

No dia 23 de setembro (segunda-feira), 16 adolescentes de doze países – dentre eles a sueca Greta Thunberg, que ganhou a atenção da imprensa internacional – apresentaram uma denúncia contra Brasil, Argentina, França, Alemanha e Turquia para o Comitê sobre os Direitos das Crianças da Organização das Nações Unidas (ONU). A ação aponta que os cinco países estão se omitindo ou deliberadamente agindo de modo contrário ao que se comprometeram a fazer para frear as mudanças climáticas no Acordo de Paris. Com isso, as nações violam a Convenção sobre os Direitos das Crianças, que garante o direito à vida, à saúde e à cultura, por exemplo. É a primeira vez que crianças fazem uma denúncia dessa natureza na ONU.

Catarina Lorenzo, de 12 anos, é a representante brasileira do grupo. Ela é surfista, mora em Salvador e conversou com a gente por Whatsapp, direto de Nova York, onde participa de uma série de atividades em razão da entrega da denúncia. Dona de uma voz potente, com notas de indignação, a jovem ativista falou sobre mudanças climáticas e a importância de se considerar e ouvir a voz de crianças e adolescentes no tema.

“Meu pai é surfista. Quando eu tinha dois anos, ele me colocou na minha primeira onda e eu fiquei em pé, sozinha! Desde então, sempre tive uma conexão muito forte com o oceano. Uma vez,  eu estava nadando numa piscina natural, e reparei que o coral estava cheio de pontos brancos. Cheguei bem perto, vi que estava sem alga nenhuma e a água estava muito quente. Eu mergulhei e toquei na areia. Geralmente, quando eu faço isso, a água vai esfriando; mas dessa vez ela continuou muito quente. Tão quente que eu tive que sair, não aguentei. Daí eu pensei: se eu não aguento, como os peixes, corais e animais marinhos aguentariam ficar? Aquele coral estava morrendo”. Esse, conta Catarina, foi um dos grandes momentos de alerta para o efeito das mudanças climáticas em seu dia a dia, desde então o assunto ganhou outra proporção. 

Como a poluição afeta as crianças? Ainda, mais de 570 mil crianças de 0 a 5 anos morrem anualmente, no mundo, por infecções respiratórias como a pneumonia, por exemplo  – que pode matar até 11 milhões de crianças até 2030 -, segundo a publicação ‘Não Polua o meu futuro!’, da Organização das Nações Unidas (ONU). Já no Brasil, o ar poluído é responsável pela morte de pelo menos 633 crianças menores de cinco anos a cada ano, isso significa 41 mortes a cada 100 mil crianças nessa faixa etária. (Fonte: Prioridade Absoluta)

UNICEF

Catarina Lorenzo, Greta Thunberg e outros 15 jovens ativistas apresentaram queixa contra a falta de ação governamental na crise climática.

A saúde do planeta sempre foi uma preocupação da família Lorenzo, o ativismo no tema é “desde pequena, por parte de pai e de mãe”, diz. ” A gente foi pra rua protestar quando queriam passar uma avenida no meio do Vale Encantado”. Catarina e Caroline, sua mãe, participam ativamente do movimento SOS Vale Encantado, iniciativa de voluntários para proteger a área de 100 hectares de remanescentes da Mata Atlântica em Salvador.

Ela conta que, na escola, teve aulas sobre Ciências do Meio Ambiente, aprendeu bastante sobre mudanças climáticas e começou a se interessar muito mais pelo assunto. “As ações dos adultos começaram a causar esse problema no passado e eles continuam fazendo as mesmas coisas. Nós temos que ser ouvidos! São as crianças que sofrerão as consequências: problemas para respirar, não vamos poder tomar banho de rio e de mar, plantar e colher comida, não vamos ter água, perder nossas casas”, explica.

“Nós vamos pagar pelas consequências dos atos dos adultos”

“Parece que querem ajudar as mudanças climáticas em vez de pensar no planeta Terra”, lamenta ao contar a história da canalização do Rio Jaguaribe, em Salvador. “Eles canalizaram, viraram as costas pra gente e jogam esgoto no oceano”. Muitas vezes, ela não pode ir surfar, em razão da concentração de esgoto na praia.

Sobre a atuação dos governos, Catarina diz que gostaria que se levasse em conta os impactos sentidos por crianças e adolescentes em todas as ações, tivessem responsabilidade e entendessem que “as atitudes deles têm efeito direto nas mudanças climáticas. Gostaria, também, que ensinassem mais sobre esse tema nas escolas e que protegessem e plantassem mais árvores. Porque a árvore é tipo uma máquina sugadora de gás carbônico do ar. Então, quanto mais árvores a gente tiver, menos gás carbônico teremos no ar”.

“Os adultos criaram o problema e, pelo visto, são poucos os que estão do nosso lado. Já que eles não vão fazer nada, nós, crianças e adolescentes, temos que atuar já!”, complementa a ativista.

“Assim como os adultos tiveram oportunidade de ter e pensar em um futuro, nós também queremos ter direito ao futuro”

*Este texto foi produzido pela jornalista Renata de Assumpção Araujo, do programa Prioridade Absoluta.

Resumo

Ao lado de Greta Thunberg e outras 14 adolescentes de diversos países, a ativista brasileira Catarina Lorenzo, de 12 anos, fala sobre mudanças climáticas, ativismo e a importância de ouvir a voz de crianças e adolescentes.
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail ou WhatsApp