Carregando...

Por que devemos esperar pelo trabalho de parto espontâneo?

Esperar pelo trabalho de parto espontâneo não significa ter que fazer um parto normal. Quando o bebê está pronto, bebê pode nascer também via cesárea
Trabalho de parto espontâneo Shutterstock
  • Publicado em: 24.04.2017
  • Atualização: 15.01.2019
da Redação

Frequentemente retratado de forma distorcida- na televisão, por exemplo – como um momento trágico de dor e sofrimento para a mãe, o trabalho de parto é muito mais do que isso: é o ponto da gestação em que o desenvolvimento do feto dentro da barriga chega ao final, e que ele comunica ao corpo da mãe que está pronto para nascer.

O trabalho de parto, é, também, o momento em que o bebê recebe o hormônio corticoide -que o ajuda a amadurecer seu pulmão, para que ele possa dar sua primeira inspiração – e o corpo da mãe outros hormônios que vão prepará-la para a amamentação.

Embora nascimentos entre a 37ª e a 38ª semana de gestação não sejam considerados prematuros, o fato do nascimento acontecer antes da mulher entrar em trabalho de parto espontâneo significa, sim, que o bebê, ainda não estava pronto para nascer.

Alguns mitos sobre a gestação e parto

“Completei 40 semanas. Não dá mais para esperar”: muitas vezes a barriga também se torna um incômodo: não há posição para dormir, e as costas doem, ainda assim, completar 40 semanas não é um indicativo da necessidade de realização de uma cesárea antes do trabalho de parto espontâneo. Se o bebê estiver bem, a gestação pode durar até 41 semanas e 6 dias. Após esse período, se considera uma gestação pós-termo e geralmente é necessário algum tipo de intervenção para que o bebê nasça.

“Não há passagem para um bebê tão grande. Ou ‘eu sou tão magra e pequena'”: o corpo da mulher e o do bebê têm o perfeito “design” para parir. Durante toda a gestação, o corpo vai se preparando para o grande dia. Durante o trabalho de parto, os ossos da bacia, que têm uma certa flexibilidade, vão se moldando para dar passagem ao bebê, se ajustando à sua cabeça. A cabeça do bebê também reduz seu tamanho porque os ossos do crânio se sobrepõem, pois ainda não estão soldados (moleira). A desproporção entre a cabeça do bebê e a pélvis da mãe é muito rara. O fato de uma mulher ser pequena não significa que tenha uma bacia pequena. A única forma de saber se existe uma desproporção é testando durante o trabalho de parto. Se o bebê estiver bem, por que não esperar? Se for para ser cesárea porque o parto não progrediu, que seja. Mas, mesmo assim, valeu para ambos passar pelo trabalho de parto.

“Fiz cesárea uma vez. Agora não posso mais ter um parto normal”: o parto normal pode ocorrer mesmo depois de uma cesárea anterior. A cicatriz não vai se romper durante o trabalho de parto. A ruptura uterina, nesse caso, é rara. Se a mulher estiver bem assistida pela equipe de saúde e tudo estiver evoluindo bem durante o trabalho de parto, não há por que o bebê não nascer de parto normal.

A ciência aponta nessa direção: estudos demonstram que as crianças, aparentemente saudáveis, nascidas entre a 37ª e a 38ª semana de gestação, são mais frequentemente internadas em UTI neonatal, apresentam problemas respiratórios, maior risco de mortalidade e déficit de crescimento.

Vencedora na categoria “Detalhes do nascimento” do concurso de fotos de parto da Associação Internacional de Fotógrafos Profissionais de Parto

No Brasil, o grande número de nascimentos entre a 37ª e a 38ª semana de gestação está associado ao elevado número de cesarianas, que frequentemente são agendadas previamente e acabam sendo realizadas antes que o trabalho de parto espontâneo comece.

“Esse é um problema sério que o Brasil precisa encarar”, avaliou Cristiane Albuquerque, responsável pela área de infância e criança do Unicef no Brasil.

“No começo da gestação, as mulheres pretendem o parto normal, mas acabam mudando de ideia. Elas precisam acreditar que são capazes de parir”, disse a especialista em coletiva de imprensa no último dia 19/04 sobre a nova campanha da organização “Quem espera, espera“, lançada com o objetivo de conscientizar e sensibilizar sobre a importância para o bebê do nascimento acontecer após o trabalho de parto começar.

Esperar pelo trabalho de parto espontâneo não significa ter que fazer um parto normal. Quando o bebê está pronto, o trabalho de parto se inicia o bebê pode nascer por meio do parto normal, ou por uma cesárea, se necessário.

O Brasil está em segundo lugar no ranking de realização de cesáreas do mundo. Enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) estabelece em até 15% a proporção de partos por cesariana, no Brasil, esse percentual é de 57%7. Eles representam 40% dos partos realizados na rede pública de saúde. Já na rede particular, chegam a 84% dos partos.

Por que esses números são tão altos no Brasil? Em vídeo sobre parto normal e cesárea gravado para o canal Criar e Crescer, o pediatra Daniel Becker aborda o assunto. “A maioria dos obstetras hoje não faz mais parto normal. Até pode acreditar que faz, mas no momento do parto, por qualquer motivo, a cesárea vai acabar sendo indicada, na maioria das vezes de forma desnecessária”, disse.

Cristiane, do Unicef, também falou sobre o papel da classe médica diante da cultura da cesárea: “As práticas médicas precisam mudar, e isso tem que ser trabalhado na formação dos médicos”.

Quando a cesárea é recomendada?

A cesariana só deve ser realizada quando há risco de morte para a mãe, para o bebê ou para ambos, como nos seguintes casos:

  • A mãe tem uma forma de hipertensão grave que descompensa;
  • O cordão umbilical sai antes do bebê;
  • A placenta descola antes do nascimento do bebê;
  • O bebê está atravessado ou sentado;
  • A localização da placenta impede a saída do bebê.

No site Quem espera, espera o Unicef disponibilizou uma série de materiais e vídeos com informações sobre a importância do trabalho de parto espontâneo e do parto normal. Entre eles, há um formulário de Plano Pessoal de Parto,  um documento no qual a gestante registrará seus desejos e o modo como decide ter o seu bebê.

O documento, que pode ser uma carta para o profissional de saúde responsável pelo pré-natal, também pode adquirir um caráter mais formal e ser protocolado no local onde o bebê vai nascer, antes mesmo do início do trabalho de parto.

*Este conteúdo foi publicado pelo Catraquinha em abril de 2017, em parceria com o Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância).

Resumo

Frequentemente retratado de forma distorcida como um momento trágico de dor e sofrimento para a mãe, o trabalho de parto é muito mais do que isso.
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail ou WhatsApp