Segurança nas redes sociais é menor para crianças do sul global

Relatório “Plataformas globais, proteções parciais” mostra divergências em políticas de privacidade no uso de redes sociais voltadas a crianças e adolescentes
iStock/Arte Lunetas
  • Publicado em: 15.07.2022
por

Qual é a sua percepção sobre segurança nas redes sociais quando acessadas por crianças e adolescentes? De acordo com a pesquisa “Plataformas globais, proteções parciais: discriminações de design em plataformas de mídia social”, crianças europeias estão mais protegidas no TikTok, WhatsApp e Instagram do que as demais crianças ao redor do mundo. O relatório destaca uma série de disparidades preocupantes nos recursos das plataformas para jovens usuários de 14 países, principalmente para países do sul global, como o Brasil e Indonésia, e Estados Unidos – os países de maior mercado do TikTok.

“O TikTok, por exemplo, oferece uma ‘experiência adequada à idade’ às crianças europeias, na qual alguns dos recursos que podem representar maiores riscos a sua segurança e privacidade, como a possibilidade de fazer lives, ficam desativados por padrão. O Instagram, em alguns países da Europa, define como privadas por padrão as contas criadas por adolescentes de até 17 anos, o que não se verifica aqui”, diz João Francisco Coelho, advogado do programa Criança e Consumo. Em outros lugares, no entanto, os usuários menores de 18 anos não recebem as mesmas proteções, o que gera dúvidas sobre a disposição das redes sociais em oferecer um design inapropriado para outros países. 

O que o relatório analisou?

A pesquisa analisou requisitos de idade mínima, políticas de privacidade, se os aplicativos forneciam menus e suporte em línguas oficiais, variações nas configurações padrão para jovens de até 17 anos e demais variações em termos e condições de uso voltados a crianças e adolescentes. Para isso, pesquisadores de diversas partes do mundo criaram contas experimentais no Instagram e TikTok, sem realizar contato com crianças ou adultos nestes canais, e excluíram as contas ao final do experimento.

No requisito “idade mínima”, foram notados processos inadequados de estimativa e verificação de idade, pois crianças abaixo dessas idades estão usando as plataformas. As políticas de privacidade, mesmo quando disponíveis na língua materna da criança, não estão escritas em formato e linguagem acessível, levando muitos jovens com diferentes necessidades de comunicação a não conseguirem acessá-las. 

É importante reforçar que os jovens têm direito ao acesso de serviços e informações e de utilizarem plataformas de mídia social, contudo, esses serviços precisam ser desenvolvidos e prestados de forma a respeitar e promover seus direitos. O relatório também destaca o problema da falta de transparência para os usuários jovens quanto aos requisitos regionais, e recomenda que os legisladores de todos os países afetados, como o Brasil, adotem leis que exijam que as plataformas implementem configurações e políticas com mais proteção e privacidade a crianças e adolescentes.

Leia também: Eu, criança virtual

Perspectivas brasileiras

João Francisco Coelho explica que, para além das discrepâncias de design das plataformas, “há estudos que indicam que a maior parte das crianças e adolescentes brasileiros se conectam à internet pelo celular e não por meio de computadores, o que favorece a utilização dessas aplicações e redunda em um uso menos qualificado das redes”. Segundo levantamento realizado pela Faculdade Getúlio Vargas, jovens de 16 a 24 anos passam em média 4h14 por dia nas mídias sociais – segundo maior tempo no mundo, atrás apenas das Filipinas com 4h27 de uso diário.

O Brasil também possui diversas possibilidades de pacotes sem limite de dados para redes sociais, chamados de “zero-rating”. João enfatiza que os obstáculos relativos à ausência de compreensão acerca dos termos de uso e políticas de privacidade das plataformas digitais, muitas vezes, impedem mães e pais de auxiliar os seus filhos na navegação das redes de maneira adequada.

O que está sendo feito?

Com base nas informações fornecidas pelo documento, 37 organizações de advocacy de todo o mundo enviaram uma carta para o CEO do TikTok, Shou Zi Chew, solicitando providências quanto às discriminações de design destacadas no relatório. Entre os signatários da carta estão o Instituto Alana, DataPrivacy Brasil, 5Rights Foundation (Inglaterra) e Asociación por los Derechos Civiles (Argentina).

Em diversos lugares do mundo, já foram aprovadas leis que protegem, de fato, crianças e adolescentes em redes sociais, como o Age Appropriate Design Code (Código de Design Apropriado para a Idade, em tradução livre), do Information Commissioner’s Office. O Brasil, apesar de contar com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e o Marco Civil da Internet, que conferem certas proteções a crianças e adolescentes no ambiente digital, ainda carece de uma regulamentação desse tipo, definitivamente protetiva. 

Leia mais

Um olhar para as infâncias conectadas

Resumo

Políticas de privacidade das redes sociais no sul global e Estados Unidos são mais inseguras quando comparadas às aplicadas na Europa. A pesquisa “Plataformas globais, proteções parciais” mostra detalhes das diferenças na segurança das redes em diversos países.
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail

Últimos posts