Carregando...

Amor tem 3 letras: 20 músicas para homenagear as mães

Da MPB ao rock, uma seleção de 20 canções sobre a dor e a delícia de ser mãe. Tem Maria Bethânia, Caetano Veloso, Emicida, Elza Soares e muito mais
Músicas em homenagem às mães iStock/Arte Lunetas
  • Publicado em: 03.05.2019
  • Atualização: 09.05.2019
da Redação

Ser mãe é desdobrar fibra por fibra os corações dos filhos (…) Eu tenho corações fora do peito”. Quem se identifica? Esses versos são da música “Mamãe coragem”, composta por Caetano Veloso e Torquato Neto. Clássico do cancioneiro popular brasileiro e hino da Tropicália, essa é só uma das inúmeras músicas que homenageiam esses seres de fortaleza e afeto que são as mães.

Neste mês das mães, tempo em que o mundo parece olhar com a devida atenção para aquilo que é importante o ano inteiro, o amor daquelas que nos pariram, preparamos uma pequena seleção de músicas para homenagear as mães. Mães que se desdobram em duas, três, quatro, mil; mães que fazem o impossível todo dia; mães que lutam e resistem; mães que viraram avós; mães que partiram: todas elas têm lugar nessas letras cheias de um amor genuíno e agradecido.

Algumas são composições dos próprios artistas para as mulheres que os colocaram no mundo, como a conhecida “Motriz”, interpretada pela cantora Maria Bethânia; outras são uma celebração universal da mulher que existe em cada maternidade, como “Deus é mulher”, de Elza Soares. Outras ainda falam de uma maternidade dolorida, bastante diferente do que aparece na publicidade, principalmente à do Dias das Mães. E todas contribuem à sua maneira para cantar algo que o Lunetas conta todos os dias: não existe um jeito só de ser mãe.

Dá o play, e inspire-se para cantar com e para a sua mãe.

  • 1. “Mãe” – Arlindo Cruz

“Mãe,
O ser natureza que o bom Deus criou
Mãe,
Seu caminhar certeza de um grande amor

Quero colo mãe, me perdoe mãe
Sua benção mãe me alimenta

Me trouxe ao mundo pra viver
Do nascer da luz ao escurecer
É a raça é fé de um coração
É paz é tudo e muito mais
Tem força que nos faz capaz

Um abraço mãe, sou seu filho mãe
Seu sorriso mãe me alimenta

Eu chorei, eu chorava
Era a minha mãe que me acalentava

Quero colo mãe, me perdoe mãe
Sua benção mãe me alimenta

Um abraço mãe, sou seu filho mãe
Seu sorriso mãe me alimenta”

  • 2. “Reverência” – Tiganá Santana

“A água do mundo
É um olho triste por calar
A água do mundo é não lembrar

A dona do mundo faz
Do alcance o seu dizer
Ter água no corpo é merecer

Molhar é amar após
Mãe mostra o rio na foz
No parto eu me curvo a minha mãe

A água obedece a função
Mítica adução
A água da espera é universal
A água em seu sopro é o que erige o sonhador

Quando a vida doa ao sonho
A dor
Molhar é estender a mão
Minha mãe é minha condição

No parto a abençoa a minha
E me curvo a minha mãe
Mais do que lhe abençoo”

  • 3. “Mãe” – Emicida

“Um sorriso no rosto, um aperto no peito
Imposto, imperfeito, tipo encosto, estreito
Banzo, vi tanto por aí
Pranto, de canto chorando, fazendo os outro rir
Não esqueci da senhora limpando o chão desses boy cuzão
Tanta humilhação não é vingança, hoje é redenção
Uma vida de mal me quer, não vi fé
Profundo ver o peso do mundo nas costas de uma mulher
Alexandre no presídio, eu pensando em suicídio
Aos oito anos, moça
De onde cê tirava força?
Orgulhosão de andar com os ladrão, trouxa!
Recitando Malcolm X sem coragem de lavar uma louça
Papo de quadrada, doze, madrugada e pose
As ligação que não fiz, tão chamando até hoje
Dos rec no Djose ao hemisfério norte
O sonho é um tempo onde as mina não tenha que ser tão forte
Nossas mãos ainda encaixam certo
Peço um anjo que me acompanhe
Em tudo eu via a voz de minha mãe
Em tudo eu via nóis
A sós nesse mundo incerto
Peço um anjo que me acompanhe
Em tudo eu via a voz de minha mãe
Em tudo eu via nóis
Outra festa, meu bem, tipo Orkut
Mais de mil amigo e não lembro de ninguém
Grunge, Alice in Chains
Onde ou você vive Lady Gaga ou morre Pepê e Neném
Luta diária, fio da navalha. Marcas? Várias
Senzalas, cesáreas, cicatrizes
Estrias, varizes, crises
Tipo Lulu, nem sempre é so easy
Pra nós punk é quem amamenta, enquanto enfrenta a guerra
Os tanque, as roupas suja, a vida sem amaciante
Bomba a todo instante, num quadro ao léu
Que é só enquadro e banco dos réu, sem flagrante
Até meu jeito é o dela
Amor cego, escutando com o coração a luz do peito dela
Descreve o efeito dela, breve, intenso, imenso
Ao ponto de agradecer até os defeito dela
Esses dias achei na minha caligrafia tua letra
E as lágrima molha a caneta
Desafia, vai dar mó treta
Quando disser que vi Deus
Ele era uma mulher preta
Nossas mãos ainda encaixam certo
Peço um anjo que me acompanhe
Em tudo eu via a voz de minha mãe
Em tudo eu via nóiz
A sós nesse mundo incerto
Peço um anjo que me acompanhe
Em tudo eu via a voz de minha mãe
Em tudo eu via nóiz
Nossas mãos ainda encaixam certo
Peço um anjo que me acompanhe (onde for)
Em tudo eu via a voz de minha mãe (tudo!)
Em tudo eu via nóiz
A sós nesse mundo incerto
Peço um anjo que me acompanhe (onde for)
Em tudo eu via a voz de minha mãe
Em tudo eu via nóiz
O terceiro filho nasceu, é homem
Não, ainda é menino
Miguel bebeu por três dias de alegria
“Eu disse que ele viria, nasceu!”
E eu nem sabia como seria
Alguém prevenia, “filho é pro mundo”
Não, o meu é meu
Sentia a necessidade de ter algo na vida
Buscava o amor das coisas desejadas
Então pensei que amaria muito mais
Alguém que saiu de dentro de mim e mais nada
Me sentia como a terra, sagrada
E que barulho, que lambança
Saltou do meu ventre, contente, e parecia dizer
“É sábado, gente!”
A freira que o amparou tentava deter
Seus dois pezinhos sem conseguir
E ela dizia
“Mas que menino danado!”
Como vai chamar ele, mãe?
Leandro”

  • 4. “Deus há de ser” – Elza Soares

“Deus é Mãe
E todas as ciências femininas

A poesia, as rimas
Querem o seu colo de madona

A poesia, as rimas
Querem o seu colo de madona

Pegar carona nesse seu calor divino
Transforma qualquer homem em menino

Ser pedra bruta nesse seu colar de braços
Amacia dureza dos fatos

Deus é Mulher
Deus há de ser
Deus há de entender
Deus há de querer

Que tudo vá para melhor
Se for mulher, Deus há de ser

Deus há de ser fêmea
Deus há de ser fina
Deus há de ser linda
Deus há de ser

Deus há de ser fêmea
(Deus há de ser fêmea)
Deus há de ser fina
(Deus há de ser fina)
Deus há de ser linda
(Deus há de ser linda)

Deus há de ser
Deus há de ser
Deus há de ser
Deus há de ser
Deus há de ser

Deus é Mãe”

  • 5. “No dia em que eu saí de casa” – Zezé Di Camargo e Luciano

“No dia em que saí de casa minha mãe me disse filho vem cá
Passou a mão em meus cabelos
olhou em meus olhos começou falar
Por onde você for eu sigo com meu pensamento
sempre onde estiver
Em minhas orações eu vou pedir a Deus
Que ilumine os passos seus

Eu sei que ela nunca compreendeu
Os meus motivos de sair de lá
Mas ela sabe que depois que cresce
O filho vira passarinho e quer voar
Eu bem queria continuar alí
Mas o destino quis me contrariar
E o olhar de minha mãe na porta
Eu deixei chorando a me abençoar

A minha mãe naquele dia me falou do mundo como ele é
Parece que ela conhecia cada pedra que eu iria pôr o pé
E sempre ao lado do meu pai da pequena cidade
ela jamais saiu
Ela me disse assim meu filho vá com Deus
Que este mundo inteiro é seu

Eu sei que ela nunca compreendeu
Os meus motivos de sair de lá
Mas ela sabe que depois que cresce
O filho vira passarinho e quer voar
Eu bem queria continuar alí
Mas o destino quis me contrariar
E o olhar de minha mãe na porta
Eu deixei chorando a me abençoar”

  • 6. “Pra ela” – Liniker e os Caramelows

“Ela leva no olhar tudo aquilo que ela vê
Ela aprende, ela chora, ela dança com você
Pra ela, não tem tempo ruim
Pra ela, não tem porque
Quando ela sai, a rua para só pra vê
Calmaria de mulher
Que ela tem, que ela dá
Minha preta como eu gosto de te amar, te amar

E assim que o dia clarear pego meu violão procê
Só pra dizer que eu me amarro em você
O sol parou só pra te observar, a lua e as estrelas quiseram acompanhar
Teu jeito de menina teu sorriso de mulher
Eu vou cantar, pra ela

O sol parou só pra te observar, a lua e as estrelas quiseram acompanhar
Teu jeito de menina teu sorriso de mulher
Eu vou cantar, pra ela…pra ela…

E assim que o dia clarear pego meu violão procê
Só pra dizer que eu me amarro em você
O sol parou só pra te observar, a lua e as estrelas quiseram acompanhar
Teu jeito de menina teu sorriso de mulher
Eu vou cantar, pra ela…

O sol parou só pra te observar, a lua e as estrelas quiseram acompanhar
Teu jeito de menina teu sorriso de mulher
Eu vou cantar, pra ela…pra ela…
Pra ela…”

  • 7. “Dona Lourdes” – Projota

“Porque eu te amo demais… demais… o seu amor me fez viver
E quando eu olho pra trás… pra trás
Em todos momentos enxergo você

Quantas vezes você chorou, porque eu te machuquei
Porque eu te magoei, mas todas vezes eu também chorei
E digo, que choraria todas as vezes necessárias, em frente de ti
Se meu choro te fizesse sorrir
Minhas pernas foram tiradas de mim quando minha mãe partiu
Mas como um milagre você as reconstruiu
Me fez andar novamente, me fez sonhar novamente
Me fez alguém, realmente, puta que pariu
Me desculpa esse palavrão
Você não falhou na educação eu que sou um perito em malcriação
Sou um errante constante, um pecado ambulante
Mas seu olhar de orgulho é o que ainda faz com que eu cante
Espero que eu tenha sido um bom filho, vai
Ora por mim pra que eu me torne um bom pai
Guerreira, você me fez guerreiro
E ainda que eu saia de casa, do meu peito você não sai

Porque eu te amo demais… demais… o seu amor me fez viver
E quando eu olho pra trás… pra trás
Em todos momentos enxergo você

Quantas vezes você sorriu, porque a luta não era em vão
Lembro do suor do meu pai e do choro do meu irmão
Eu lembro, da sensação de solidão em cada busão
Mas me conforto porque mesmo longe eu quase escuto sua oração
E vem, uma paz que aquece a minha alma
Quantas vezes cortaram a luz e eu tive que pedir calma
Se eu não roubei foi pelo rap e também por você
Várias vezes me segurei pois não podia te ver sofrer
E ela corre na janela pra me ver, partindo
Eu olho outra vez só pra dizer: tô indo
Com olhar de quem parte sem vontade
Com meu peito transbordando de esperança, perseverança e saudade
Meu sonho era ver meu pai bem, ver o cris bem
Ver você bem, mesmo que eu não estivesse bem
Eu vou além, não me importo com as consequências
Essa é minha essência (né?), puxei pra quem?

Porque eu te amo demais… demais… o seu amor me fez viver
E quando eu olho pra trás… pra trás
Em todos momentos enxergo você

Entre todos amores que vieram e se foram, vocês ficaram
Todas dores que me deram se foram pois vocês curaram
Puseram meu valor numa bandeja, pesaram,
Disseram que nada valia, mesmo assim vocês compraram

Acreditaram que meu sonho era muito mais que meu
Em cada palco que eu piso, eu carrego muito mais que eu
Hoje falam do Projota pelas minhas atitudes
Mas o Projota fala do Nequinha, do Cris e da Dona Lourdes…

Porque em qualquer momento…
Em qualquer… parte da minha vida, vão ser vocês!”

  • 8. “Conta” – Nando Reis

“Desde o dia em que eu perdi minha mãe
Eu me perdi de mim também
Perdi no mundo o que era o mundo meu
– minha mãe

E eu não sei o que sou sem ela
Só sei que ela me deixou
Por que ela me deixou?
Por que ela me deixou?
Ela me deixou

Nesse dia, o dia em que eu perdi minha mãe
Eu me dei conta que eu estava só por minha conta
Mesmo tendo o meu pai, que eu amo

A minha conta se não fecha
Essa conta nunca mais fechou
Nunca mais fechou
Nunca mais fechou
Essa conta

Estou aqui, estou aqui, fiquei aqui
Você não está, você não está, não está mais
Eu quero te ver, quero te ver, para te ver
É preciso sonhar.

E a partir desse dia, desse dia em diante
Minha alegria se transformou
Minha família aumentou bastante
Sou pai de cinco filhos

Mas um filho-pai apenas, criança sou
Uma criança sou
Uma criança sou
Uma criança sou
Uma criança sou
Uma criança sou
Uma criança sou

Estou aqui, estou aqui, fiquei aqui
Você não está, você não está, não está mais
Eu quero te ver, quero te ver, para te ver
É preciso sonhar.

E a partir desse dia, desse dia em diante
Minha alegria se transformou
Minha família aumentou bastante
Sou pai de cinco filhos

Mas um filho-pai apenas, criança sou
Uma criança sou
Uma criança sou
Uma criança sou
Uma criança sou
Uma criança sou
Uma criança sou”

  • 9. “Casa de Mãe” – Criolo

“Eu não tenho casa
Eu moro em casa de mãe
Casa de mãe é bom
Mas é casa de mãe

Eu não tenho casa
Eu moro em casa de mãe
E quando querem meu chamego
Não dá, por causa de mãe

Toda missão do sereno
Pra juntar alguns trocados
Espada de São Jorge protege e arruda é pra mau olhado

Um dia vou ter minha casa
Vai ser a coisa mais linda
Com gravuras de Oxossi, Ogum e Mãe menininha

Eu não tenho casa
Eu moro em casa de mãe
Casa de mãe é bom
Mas é casa de mãe

Eu não tenho casa
Eu moro em casa de mãe
E quando querem meu chamego
Não dá, por causa de mãe

E quando eu tiver dinheiro
Só vou agradar mamãe
Minha filha cê quer sucesso
Sucesso é ter mamãe

Eu não tenho casa
Eu moro em casa de mãe
Casa de mãe é bom
Mas é casa de mãe

Eu não tenho casa
Eu moro em casa de mãe
E quando querem meu chamego
Não dá, por causa de mãe”

Heróica Mãe
Vós que nós saudamos
Tua face estática
Tuas dores perfeitas
São guardadas pelo mundo

Porque sobre
Teus joelhos
Viemos
Com uma oração

Vós que nós saudamos
Tua face estática
Tuas dores perfeitas
São guardadas pelo mundo

Porque sobre
Teus joelhos
Viemos
Com uma oração

Heróica mãe
Gloriosa mãe

Observando em teus olhos
Lágrimas imortais

Vós que nós saudamos
Tua face estática”

  • 10. “Minha mãe” – Gal Costa e Maria Bethânia (Composição Jorge Mautner)

“Quando eu fico muito triste
Eu pego a fotografia da minha mãe
E aperto bem forte no meu peito

Minhas mãos param de tremer
Segurando a fotografia
E meu coração bate mais forte

Mas não é mais uma dor que eu sinto
Eu me transformo
Possuído de alegria que invade a mim
E todo esse recinto
E que não tem explicação

E eu choro de alegria
Rezando aos pés de Nossa Senhora Aparecida

Minha mãe me deu a vida
E sempre ela me dará a vida”

  • 11. “Mãe” – Caetano Veloso

Palavras, calas, nada fiz
Estou tão infeliz
Falasses, desses, visses não
Imensa solidão

Eu sou um Rei que não tem fim
E brilhas dentro aqui
Guitarras, salas, vento, chão
Que dor no coração

Cidades, mares, povo, rio
Ninguém me tem amor
Guitarras, salas, colos, ninhos
Um pouco de calor

Eu sou um homem tão sozinho
Mas brilhas no que sou
E o meu caminho e o teu caminho
É um nem vais nem vou

Meninos, ondas, becos, mãe
E só porque não estais
És para mim que nada mais
Na boca das manhãs

Sou triste, quase um bicho triste
E brilhas mesmo assim
Eu canto, grito, corro, rio
E nunca chego a ti”

  • 12. “Carta à mãe” – Gilberto Gil

Manda me benzer
Manda me rezar
Longe da Bahia
Manda me buscar

Mãe,
Cuida da maninha e do irmão
De tudo que deixei
Dá um beijo no pai
Manda um alô
Praquele velho pessoal
Pra moça da esquina
Pro moleque do jornal

Se tudo correr bem
Mando lhe avisar
Em breve,
Muito em breve, vou voltar
Bênção mãe, bênção pai
Em breve,
Muito em breve, vou voltar”

  • 13. “Odoyá Mulher” – Lari Alves

“Tem essa força no braço de toda mulher e ela sabe o que quer
Dentro de si cabe o poder da criação
No seu abraço, um laço, um colo e um ninho para quem vier
Energia que é capaz de acabar com o trovão

E ela é forte, guerreira e da luta, mas também sente dor
É mãe sozinha, presente, e é pai também
Faz aos filhos o impossível na corda bamba de um grande amor Esquece o tempo e a vontade de se querer bem

Seja livre
Seja livre
Seja livre
Seja livre

Odoyá mulher
Quem me dá motivo pra eu ser melhor
Odoyá mulher
O seu destino é ser bem maior

E ela é forte, guerreira e da luta, mas também sente dor
É mãe sozinha, presente, e é pai também
Faz aos filhos o impossível na corda bamba de um grande amor Esquece o tempo e a vontade de se querer bem

Seja livre
Seja livre
Seja livre
Seja livre

Odoyá mulher
Quem me dá motivo pra eu ser melhor
Odoyá mulher
O seu destino é ser bem maior”

  • 14. “Sorrir e Cantar Como Bahia” – Os Novos Baianos

“Mãe é mar
Mares não maré, água e terra
Mãe é mar
Mares não maré, água e terra
Mar, amar
Pra saber da árvore com galhos pra quebrar
Em secas folhas ao chão
Secos e duros gravetos
Em lenha pro fogo que cozinha esses anos todos
A grande panela do mundo

Mas mar é mar
Correndo tranquilo pela terra
Como o som, das águas dizendo
Que mãe só não pode entrar nessa
Muito pelo contrário
É sofrer e chorar como Maria
Sorrir e cantar como Bahia!
E o menino solto como o dia

E aí
Mãe pode ter e ser bebê
E até pode ser baby também”

  • 15. “Dona Cila” – Maria Gadú

“De todo o amor que eu tenho
Metade foi tu que me deu
Salvando minha alma da vida
Sorrindo e fazendo o meu eu

Se queres partir, ir embora
Me olha da onde estiver
Que eu vou te mostrar que eu to pronta
Me colha madura do pé

Salve, salve essa nega
Que axé ela tem
Te carrego no colo e te dou minha mão
Minha vida depende só do teu encanto
Cila pode ir tranquila
Teu rebanho tá pronto

Teu olho que brilha e não para
Tuas mãos de fazer tudo e até
A vida que chamo de minha
Neguinha, te encontro na fé

Me mostre um caminho agora
Um jeito de estar sem você
O apego não quer ir embora
Diaxo, ele tem que querer

Ó meu pai do céu, limpe tudo aí
Vai chegar a rainha
Precisando dormir
Quando ela chegar
Tu me faça um favor
Dê um manto a ela, que ela me benze aonde eu for

O fardo pesado que levas
Desagua na força que tens
Teu lar é no reino divino
Limpinho cheirando a alecrim”

  • 16. “Mama África” – Chico César

Mama África
A minha mãe
É mãe solteira
E tem que
Fazer mamadeira
Todo dia
Além de trabalhar
Como empacotadeira
Nas Casas Bahia…(2x)

Mama África, tem
Tanto o que fazer
Além de cuidar neném
Além de fazer denguim
Filhinho tem que entender
Mama África vai e vem
Mas não se afasta de você…

Mama África
A minha mãe
É mãe solteira
E tem que
Fazer mamadeira
Todo dia
Além de trabalhar
Como empacotadeira
Nas Casas Bahia…

Quando Mama sai de casa
Seus filhos de olodunzam
Rola o maior jazz
Mama tem calo nos pés
Mama precisa de paz…

Mama não quer brincar mais
Filhinho dá um tempo
É tanto contratempo
No ritmo de vida de mama…

Mama África
A minha mãe
É mãe solteira
E tem que
Fazer mamadeira
Todo dia
Além de trabalhar
Como empacotadeira
Nas Casas Bahia…(2x)

É do Senegal
Ser negão, Senegal…

Deve ser legal
Ser negão, Senegal…(3x)

Mama África
A minha mãe
É mãe solteira
E tem que
Fazer mamadeira
Todo o dia
Além de trabalhar
Como empacotadeira
Nas Casas Bahia…(2x)”

  • 17. “No Dia Que Eu Vim Embora” – Elis Regina (Composição: Gilberto Gil)

“No dia em que eu vim-me embora minha mãe chorava em ai
Minha irmã chorava em ui e eu nem olhava pra trás
No dia que eu vim-me embora não teve nada de mais
Mala de couro forrada com pano forte brim cáqui
Minha avó já quase morta, minha mãe até a porta
Minha irmã até a rua e até o porto meu pai
O qual não disse palavra durante todo o caminho
E quando eu me vi sozinho, vi que não entendia nada
Nem de pro que eu ia indo nem dos sonhos que eu sonhava
Senti apenas que a mala de couro que eu carregava
Embora estando forrada fedia, cheirava mal
Afora isto ia indo, atravessando, seguindo
Nem chorando nem sorrindo sozinho pra Capital
Nem chorando nem sorrindo sozinho pra Capital
Sozinho pra Capital (3x)”

  • 18. “Comigo” – Elza Soares

“Levo minha mãe comigo
Embora já se tenha ido
Levo minha mãe comigo
Talvez por sermos tão parecidos

Levo minha mãe comigo
De um modo que não sei dizer
Levo minha mãe comigo
Pois deu-me seu próprio ser

Mas se eu me levantar
Ninguém irá saber
E o que me fez morrer
Vai me fazer voltar”

  • 19. “Mãe” – Johnny Hooker

“Vendo você dormir
O mundo vai sonhar
A guerra há de desistir
A beleza triunfará

Eu estou aqui
Se cair, se machucar
Se decidir partir
Eu prometo não chorar

Minha mãe já me dizia
Jogue tudo numa canção
Cuide bem dos bons amigos
Ame sempre os seus irmãos

Minha mãe já me dizia
Jogue tudo numa canção
Cuide bem dos bons amigos
Ame sempre os seus irmãos

Ame sempre os seus irmãos

Vendo você dormir
O mundo vai acordar
A guerra há de desistir
A beleza triunfará

Eu estou aqui
Se cair, se machucar
Se decidir partir
Eu prometo não chorar

Minha mãe já me dizia
Jogue tudo numa canção
Cuide bem dos bons amigos
Ame sempre os seus irmãos

Minha mãe já me dizia
Jogue tudo numa canção
Cuide bem dos bons amigos
Ame sempre os seus irmãos”

  • 20. “Motriz” – Maria Bethânia (Composição de Caetano Veloso)

“Embaixo a Terra
e em cima o macho céu
E, entre os dois, a idéia de um sinal
Traçado em luz.
Em tudo a voz de minha mãe…
E a minha voz na dela…
E a tarde dói de tão igual…
Que tarde que atravessa o corredor!
Que paz!
Que luz que faz!
Que voz… que dor…
Que doce amargo cada vez que o vento traz
A nossa voz que chama,
Verde do canavial,
Canavial.
E nós mãe:
Candeias, motriz!
Aquilo que eu não fiz e tanto quis
É tudo o que eu não sei
Mas a voz diz
E que me faz,
Me traz, capaz de ser feliz
Pelo Céu, pela terra
A tarde igual
Pelo sinal, pelo sinal
E nós: mãe
E a Penha – Matriz!
Motriz…
Motriz…”

Resumo

Dia das Mães aqui no Lunetas é todo dia. Preparamos uma seleção musical para todos os gostos, com músicas para homenagear as mães. Dê o play e inspire-se a declarar seu amor às mães da sua vida.
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail ou WhatsApp