Os desafios de grávidas e cuidadores para ir e vir na cidade

Falta de estrutura em ônibus, calçadas esburacadas que impedem a passagem de carrinhos de bebê e insegurança: a mobilidade urbana não acolhe mulheres e crianças
Foto: Peu Ricardo /Arte: Lunetas
  • Publicado em: 28.07.2021
por |

De segunda a sexta-feira, a recepcionista Everlane Lobato, 21, passava cerca de quatro horas no transporte público para ir ao trabalho, no Centro de Manaus (AM). Costumava se deslocar em horários de pico e sempre em ônibus lotados. Certa vez, após uma freada brusca no coletivo, uma passageira caiu sobre a barriga dela, que estava grávida de quatro meses. O episódio resultou em uma ida à emergência hospitalar e em uma mudança na maneira de locomoção. Everlane passou a pagar uma passagem mais cara para usar um micro-ônibus climatizado por considerá-lo mais seguro e confortável para ela e para o bebê.

A agenda urbana do novo milênio estimula a promoção de uma mobilidade sustentável sensível à idade e ao gênero. Uma das formas de alcançar esse objetivo é considerar mulheres gestantes e crianças como agentes ativos da mobilidade. No entanto, histórias como a de Everlane mostram que grávidas, puérperas e cuidadores com crianças de colo ainda não têm, muitas vezes, suas necessidades consideradas nas políticas públicas de mobilidade das cidades brasileiras. 

Falta estrutura nos ônibus e paradas, falta acolhimento de funcionários do sistema e passageiros, sobram buracos e obstáculos para a mobilidade a pé.

A inclusão de mulheres grávidas, puérperas e crianças começa no  deslocamento, mas diz respeito a um projeto mais amplo de uso e ocupação dos espaços públicos. Na pesquisa “Primeiros passos: mobilidade urbana na primeira infância”, divulgada em abril deste ano, o Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP) enfatiza que a forma como crianças se deslocam nas cidades tem grande impacto no seu desenvolvimento, pois a primeira infância é um período crucial para a formação cerebral e o desenvolvimento da capacidade de executar outras habilidades mais complexas. “As experiências e vivências diárias das crianças nos espaços onde habitam e circulam têm grande impacto particularmente naquelas com até três anos”, mostra a entidade.

Sendo responsáveis pelo acompanhamento nas atividades rotineiras das crianças, como ir ao médico, à escola ou a um espaço de lazer, os cuidadores desempenham papel central nessa dinâmica e deveriam também ser considerados nas etapas de planejamento, implantação e avaliação de políticas públicas de mobilidade. “A qualidade do espaço urbano e dos modos de transporte que garantem a realização dessas atividades impactam positivamente ou negativamente o comportamento e bem-estar dos cuidadores, o que, por consequência, pode afetar o desenvolvimento dos bebês e das crianças pequenas”, destaca o ITDP.

Ter a saúde do bebê afetada foi um dos maiores medos de Everlane, quando foi atingida pela passageira dentro do coletivo. A barriga dela passou o dia todo dolorida. Quando chegou ao trabalho, a pressão baixou, e a recepcionista desmaiou. “Essa não foi a única vez que tive medo de alguma coisa acontecer com o meu bebê dentro do ônibus. Andava com uma sacola plástica para o caso de enjoos, pois, como o ônibus estava sempre muito cheio, não conseguiria chegar a uma janela ou descer se passasse mal”, diz. Ela começou, então, a pagar R$ 0,40 a mais por passagem, valor que tirava da própria renda, para ter mais conforto e segurança. Em maio deste ano, em função da Lei Federal 14.151/21 – que dispõe sobre o afastamento da funcionária gestante das atividades de trabalho presencial durante pandemia de covid-19 – começou a trabalhar de casa. 

O médico Regis Assad, do Departamento Científico de Pediatria Ambulatorial da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), enfatiza que a mobilidade urbana tem relação direta com a saúde física dos pequenos. 

“É preciso pensar em uma cidade que seja saudável para o crescimento das crianças, que possa acolher seus mais jovens cidadãos, mas pouco tem sido feito até agora”, afirma.

“Desde os desafios mais básicos como moradia digna, saneamento básico, áreas de lazer e recreação, até os mais refinados, como escala dos edifícios e velocidade dos automóveis, mobiliário urbano e iluminação pública, quase tudo ainda está por se fazer”.

No ônibus, a rotina é de sufoco

Apesar de todos os assentos dos ônibus da Região Metropolitana do Recife (PE) serem, desde 2020, considerados preferenciais para idosos, pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, gestantes e pessoas com crianças de colo, as dificuldades para quem pertence a um desses grupos prioritários não diminuíram. No oitavo mês de gestação, a empregada doméstica Emanuella Maria de Lima, 32, enfrenta no dia a dia o desrespeito nos ônibus da capital pernambucana. Grávidas e puérperas de outros estados, entrevistadas para a reportagem, dizem viver situação semelhante.

Moradora do bairro do Bongi, na Zona Oeste da cidade, Emanuella se desloca mensalmente até o Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (Imip), hospital de referência em saúde materno-infantil de Pernambuco, no Centro, a 4,5 km de casa, para o acompanhamento de pré-natal. “As consultas são às 8h, mas saio de casa por volta das 5h30 para não pegar o ônibus cheio e conseguir um lugar para sentar. Se o ônibus estiver com passageiros, muitas vezes, fico em pé. É muito desrespeito”, conta. Até o sétimo mês da gravidez, Emanuella ia diariamente para o trabalho também usando o transporte público de passageiros. “Agora, estou de licença e minhas saídas diminuíram. Evito sair por outros motivos e só pego ônibus por causa das consultas”, diz.

Questionado sobre a qualidade do transporte público da Região Metropolitana do Recife para cuidadores e crianças, Marcelo Bandeira, diretor de Inovação do Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros no Estado de Pernambuco (Urbana-PE), pontuou que o sistema de transporte público deve melhorar em três eixos: priorização e qualificação, modernização do serviço e revisão do modelo de financiamento. “É importante destacar que dada a característica universal do transporte coletivo, via de regra, as ações de melhoria devem repercutir em todos os grupos de clientes.”

Além do Recife, há outras cidades brasileiras, como Manaus (AM), com legislações que preveem assentos preferenciais ou determinam que todos os bancos do coletivo devem ser destinados, com prioridade, a grupos como grávidas ou cuidadores de crianças. Na prática, casos como os de Emanuella e Everlane mostram que as leis são insuficientes. “Essas medidas funcionam como uma ação afirmativa, mas são um pequeno passo para atingir um objetivo maior. Não é uma medida que resolve o problema como um todo. A gente precisa ter um olhar mais amplo sobre a qualidade do que está sendo ofertado no transporte coletivo”, avalia a diretora-executiva do ITDP, Clarisse Cunha Linke. 

Na publicação “Primeiros passos para um sistema de ônibus mais sensível à primeira infância”, deste mês de julho, o ITDP mostra que há vários desafios para que os cuidadores de crianças usem ônibus. Os obstáculos começam antes mesmo da saída de casa, com o planejamento orçamentário para os deslocamentos. Nem sempre há integração tarifária para reduzir os custos. O preço da passagem acaba impactando no orçamento familiar. 

Uma saída possível para isso é o que acontece em Salvador (BA), onde há um projeto de lei, encaminhado para a Câmara dos Vereadores, que determina passagens gratuitas para grávidas que usam os coletivos para as consultas de pré-natal. A medida surgiu depois que uma pesquisa da prefeitura local mostrou que, entre 2017 e 2019, apenas 61% das gestantes negras da cidade fizeram sete ou mais consultas de pré-natal durante a gestação.

Porém, além do custo, há outros desafios estruturais, como esperar em pontos de ônibus que sequer oferecem assentos ou abrigo contra o sol e a chuva. Entram nessa conta ainda a altura dos degraus dos coletivos, a impossibilidade de andar com o carrinho de bebê, pela falta de espaço para acomodar o equipamento, e o comportamento desrespeitoso de passageiros e funcionários do transporte público, como aconteceu com a dona de casa Marilena de Jesus, 25.

Ela estava em um ônibus em Salvador com o filho Arthur, na época com 6 meses, quando um motorista acionou o fechamento das portas no momento do desembarque dela com o bebê no colo. O braço de Arthur ficou preso, e a mãe precisou usar as mãos para abrir as portas sozinha. 

“Outra vez, quando ele já tinha 1 ano e meio, um motorista arrancou com o veículo quando estávamos descendo. Quase caímos”, recorda.

Hoje, aos 2 anos, Arthur acha divertido andar de ônibus. Só se incomoda quando o veículo fica muito cheio em dias quentes. A mãe precisa tirar a roupa dele para o menino conseguir fazer a viagem sem chorar. 

A relação das políticas de mobilidade urbana com o trabalho

O modelo do sistema de transporte público e o desenho das políticas de mobilidade urbana são pensados a partir de um padrão de deslocamento entre a casa e o trabalho. Por isso, para a diretora-executiva do ITDP Clarisse Cunha Linke, não pensar em estratégias para acolher as necessidades de mulheres grávidas, puérperas e cuidadores de crianças diz respeito, também, à organização patriarcal e capitalista da sociedade, que não enxerga essas pessoas como produtivas. 

Pesquisas de origem-destino realizadas no Brasil têm como premissa os dados de deslocamento entre a casa e o local de trabalho, orientando a partir deles o planejamento dos sistemas de transporte. “Então, o olhar principal sobre a qualidade, a frequência, a confiabilidade, tudo o que diz respeito ao serviço, gira em torno desse tipo de deslocamento”, afirma Clarisse. 

Uma problemática por trás disso é não considerar, por exemplo, os trajetos feitos em outros horários diferentes daqueles de pico. Isso também condiciona as pessoas a se incomodarem, por exemplo, em ceder o espaço nos coletivos para uma mulher grávida sentar. “Quando entra alguém que tenha uma demanda diferente, como uma criança, as pessoas se sentem irritadas. Elas estão ali organizadas, arrumadas, para sair apressadas, com o seu celular na mão”, explica.

“Não se considera que o tempo de deslocamento com uma criança é outro”

A invisibilidade dos desejos e das necessidades de crianças e mulheres passa também por uma discussão que transcende o transporte coletivo. Versa sobre como a cidade se organiza para acolher a primeira infância e como o trabalho doméstico e materno das mulheres não é enxergado pela sociedade. Afinal, parte dos deslocamentos das mulheres é para dar conta das atividades de cuidado com a família, como deixar os filhos nas creches ou escola e realizar as compras nos supermercados. 

“A gente cuida dos bebês para quando eles crescerem, para o vestibular, para terem sucesso e serem cidadãos no futuro, baseados em uma ideia romântica da criança como um ser inocente. Mas a gente precisa entender que as crianças são seres potentes, são sujeitos de direitos hoje”, explica Rhaisa Pael, professora doutora do Núcleo de Educação a Distância do Centro Universitário de Brasília (Uniceub).

Para as crianças, sobretudo aquelas que estão na primeira infância, a fase mais importante do desenvolvimento infantil, os deslocamentos cumprem ainda outro papel fundamental, o de estabelecer um vínculo com a cidade e as demais pessoas que nela habitam. 

“Para a criança, a mobilidade é mais ampla do que o deslocamento. É uma experiência do corpo. Nos deslocamentos, as crianças têm acesso a relacionamentos”, afirma Rhaisa.

As crianças na cidade: construção de vínculos, relações e estímulos

A falta de qualidade no transporte e espaços públicos acaba afastando mulheres e crianças das ruas e dos transportes coletivos. 

Além do deslocamento em meios automotores, há ainda as dificuldades para andar pelas ruas, com calçadas esburacadas e cheias de obstáculos, sem a devida iluminação e travessias seguras.

De acordo com o estudo do ITDP, a caminhada feita com crianças e bebês requer o dobro de atenção por parte dos cuidadores. “Uma frase que nos marcou da coleta de dados é que nos disseram que andar, muitas vezes, se parece a uma corrida com obstáculos”, detalhou Clarisse.

Caminhar é um momento importante para as crianças fortalecerem a relação e conexão com a cidade, já que os espaços públicos possuem estímulos sensoriais que contribuem para o processo de aprendizagem e desenvolvimento infantil. “As crianças, no trajeto, podem olhar não só para o espaço, mas também ao que está do lado dela. Elas estão interessadas nas relações que se estabelecem nesse deslocamento. A mobilidade é relacional”, acrescenta Rhaisa. 

Foto: Peu Ricardo - Lunetas/ANDI/RNPI

A cidade é importante espaço de criação das relações sociais e de estímulo sensorial para as crianças. Para isso, as cidades precisam ser planejadas e construídas para pessoas

Sem esse acolhimento nas ruas e nos coletivos, muitas famílias com condições sociais mais altas optam por colocar o carro na lista do enxoval para a gravidez, seja comprando ou pagando pelos aplicativos. A irregularidade, lotação e desconforto nos ônibus, fizeram com que a desempregada Thalita da Silva, 23, optasse por usar transporte de passageiros por aplicativo quando precisa se deslocar com o filho, Bernardo, de 2 meses. O investimento no serviço particular pesa no orçamento da família, mas é priorizado por causa do bebê. 

Os deslocamentos são feitos sempre com a avó de Bernardo, a diarista Luciene da Silva, 45, que ajuda carregando bolsas e sacolas com roupas e itens de higiene. “Quando eu estava grávida, até os sete meses, ia de ônibus porque não carregava tanta coisa. Era um aperto, dor nas costas e pessoas que não deveriam estar nos assentos sem ceder o lugar. Com Bernardo, não quero passar por isso. A gente faz questão de se sacrificar um pouco, mas pagamos um Uber. Só volto a andar de ônibus quando ele estiver com uns 3 anos”, diz a moradora do Recife (PE).

A assistente administrativa Vanessa Almeida, 29, que vive em Osasco (SP), também ajustou as contas para não precisar usar o transporte público. Grávida de cinco meses, ela e o marido decidiram usar o dinheiro que estavam juntando para comprar uma casa na aquisição de um carro. Vanessa está treinando aos poucos para retomar a prática de dirigir, após anos usando o transporte público como principal meio de locomoção. “Usei ônibus durante a gestação e até colocava a carteira de grávida na parte da frente de uma pasta para sinalizar, já que estava com a barriga pequena, e as pessoas nem sempre cediam o lugar. Decidimos investir no carro totalmente por causa do bebê, para ir às consultas e sair com ele quando nascer”, revela.

Enquanto Vanessa adquiriu um bem para sair do transporte público, a dona de casa Marilena de Jesus, 25 anos, abriu mão de um objeto comprado com planejamento e carinho durante a gestação, fugindo das calçadas de Salvador. Após várias tentativas frustradas de passeio pela cidade com o então recém-nascido Arthur, ela vendeu o carrinho de bebê, pois não conseguia caminhar com tranquilidade. “As calçadas têm péssimo estado de conservação, o carrinho tremia bastante, e Arthur só fazia chorar com as chacoalhadas. Rapidamente, vendi o carrinho que comprei com tanta vontade de fazer passeios com ele”, recorda.

O presidente da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), Otávio Cunha, afirma que o setor está elaborando o novo marco legal do transporte público, que deve ser apresentado ao Congresso Nacional. “Estamos preparando o marco legal pensando na sustentabilidade do transporte público, para dar transparência e fazer uma comunicação mais aproximada da sociedade”, esclarece.

Com prejuízo de R$ 14,2 bilhões, acumulado desde o início da pandemia, o setor de transporte público busca, com o marco legal, soluções para reduzir a tarifa e aumentar a qualidade também para acomodar essa dinâmica de deslocamento de crianças e seus cuidadores. 

“O ônibus é um espaço de convivência social. As pessoas interagem no transporte público, e a questão do respeito e cuidado com a criança deve estar no marco legal que estamos construindo”, ressalta.

* Esta reportagem foi produzida a partir de edital para produção de reportagens sobre  “Cidades Sustentáveis para crianças”, oferecido pelo projeto “Primeira Infância é Prioridade” da ANDI Comunicação e Direitos e da Rede Nacional Primeira Infância, em parceria com a Petrobras. 

Leia mais

Segurança urbana: ‘uma cidade boa para crianças é boa para todos’

Resumo

As grandes cidades brasileiras estão preparadas para acolher gestantes, puérperas, cuidadores e crianças? Transporte público inadequado, calçadas esburacadas, falta de segurança são alguns desafios de uma mobilidade urbana que não é sensível à idade e gênero.
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail

Últimos posts