Carregando...

Meu filho quer pintar o cabelo de azul, rosa, verde! Como lidar?

Confira seis dicas para brincar com cabelo colorido sem riscos à saúde
Meu filho quer pintar o cabelo Istock
  • Publicado em: 31.10.2018
da Redação

Chegou na sua casa aquele momento em que seu filho diz: “Quero pintar o cabelo”?.  Para que você decida sobre isso com mais segurança, conversamos com um cabeleireiro e perguntamos o que pode ser menos prejudicial para as crianças que querem brincar de cabelo colorido.

É importante salientar que a pele do couro cabeludo das crianças é muito sensível e qualquer coloração pode causar alergias. É também considerável reforçar que as crianças estão vivendo sua construção de identidade e é importante que os pais conversem e ponderem sobre isso.

O cabeleireiro Ernesto Paulelli Neto, do Soho, recomenda avaliar com muita cautela a idade em que se aplica tintura no cabelo. Segundo ele, o ideal é esperar até dos 12 ou 15 anos pelo menos para aplicar por causa das mudanças hormonais.

Mas, dá uma saída não definitiva e sem prejuízos à saúde. “Exitem sprays a base de água, que funcionam quase como um talco. Sai com água e não é prejudicial ao couro cabeludo. (Usar papel crepom nem pensar, ele solta uma tinta que tem muito metal, é muito difícil de remover e pode manchar o cabelo). Depois de usar o spray é preciso lavar no dia seguinte. Eu recomendo porque é seguro, não é caro, e não é alérgico”, explica. Mais um alerta: a tinta pode sair na fronha e lençol.

Para as crianças mais velhas, que optaram por tingir, existem também as tintas veganas, que requer descoloração prévia do cabelo. Recentemente, a filha da apresentadora Bela Gil, tingiu o cabelo de rosa e mãe postou a técnica nas redes sociais.

6 dicas para brincar de pintar o cabelo sem riscos à saúde

  • Deve-se hidratar muito os fios, principalmente logo após a tintura;
  • A descolaração não é um processo simples, é preciso conhecimento técnico. Não é indicado fazer em casa, muito menos por crianças;
  • Se optou por um tintura vegana, olhe atentamente o rótulo  para conferir os competentes;
  • Converse com seu pediatra ou dermatologista;
  • Fique muito atento a indicação de idade do produto;
  • Não pinte próximo do couro cabelo, mechas são a melhor saída.

Leia também

‘Cabelo bom’ e ‘cabelo ruim’: será que isso existe mesmo?

 

Resumo

O cabeleireiro Ernesto Paulelli Neto deu dicas de saídas não definitivas para brincar de cabelo colorido. Confira!
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail ou WhatsApp