Carregando...

Precisamos falar sobre medo: Christian Dunker fala sobre o tema

Estamos mais apavorados agora do que antes? Como adultos e crianças lidam com o medo, e por que negamos um sentimento próprio da natureza humana?
Precisamos falar sobre o medo iStock;/Arte Lunetas
  • Publicado em: 25.10.2018
  • Atualização: 26.10.2018
por

Como você cuida do seu medo? E como você cuida do medo do outro? Pode ser seu filho, seu parceiro ou parceira, seus amigos, familiares: você acolhe ou reprime este sentimento em você e nos outros? Nesta matéria, como o próprio título já conta, vamos falar sobre o medo. Da infância até a vida adulta, vamos refletir sobre a construção social e psicológica do medo, e de como a percepção sobre ele muda ao longo da vida. Será que arranjamos novos nomes só para não chamar de medo? Quando passamos a ter vergonha de ter medo?

O psicanalista,  pesquisador e professor da USP (Universidade de São Paulo) Christian Dunker conversou com a gente sobre o assunto, com a proposta de ampliar aquilo que costumamos pensar primeiro quando pensamos nessa palavra. Eles nos recebeu em seu consultório em São Paulo, onde conversamos sobre nossa relação com o medo, e como ele impacta o presente e o futuro das crianças. No final do texto, você pode assistir ao vídeo da entrevista.

Medo

1. Sentimento inquietante que se tem diante de perigo ou ameaça.
2. Ansiedade diante de uma sensação desagradável, da possibilidade de fracasso.

Mais do que isso, conversamos sobre o medo sob a luz do atual momento político que o Brasil está vivendo, em que imperam discursos de ódio e rivalidades morais e éticas. Estamos mais apavorados agora do que antes? Como lidar com tantos medos novos e com os que já estavam em nós? O que o medo tem a ver com a polarização de opiniões que tomou conta do convívio social, da conversa na padaria até a disputa de poder político?

A entrevista com Christian Dunker não tem o intuito de responder definitivamente nenhuma dessas questões, mas sim de colocar uma lente de aumento sobre questões universais do ser humano, e que nos une ainda mais neste momento em que estão em jogo dois projetos de país distintos. Algum deles te dá medo?

Christian Dunker é psicanalista e professor titular da Universidade de São Paulo (USP). Em 2012, recebeu o Prêmio Jabuti, e ganhou o segundo lugar também no Jabuti com o segundo melhor livro de Psicologia, Psicanálise e Comportamento. Trabalhou como colunista da Revista Mente & Cérebro, Revista Cult, Brasileiros e atualmente escreve no Blog da editora Boitempo Editorial. É autor de dezenas de livros sobre psicanálise e comportamento, como “Mal-Estar, Sofrimento e Sintoma: uma psicopatologia do Brasil entre muros” (Boitempo, 2015), e “Reinvenção da intimidade: políticas do sofrimento cotidiano” (Ubu Editora, 2017).

O que é o medo?

É uma emoção? Um sentimento? Toda boa conversa começa com uma interrogação, e esta foi assim. Quando fizemos esta pergunta ao professor, ele nos explica que o medo é um afeto. Mas como assim?

“O medo é um afeto, e envolve o modo como um estímulo nos afeta, e também o que ele evoca em nós em termos de resposta, ou seja, de emoção. O medo é um dos seis afetos fundamentais descrito por Darwin, um dos seis padrões de reconhecimento facial mais primitivos da experiência humana. No processo de socialização, a interpretação do medo é muito básica, tanto para pensar mecanismos de defesa da espécie, quanto de ligação com o outro”.

Segundo Dunker, é graças ao medo que aprendemos que o amor é uma atitude de proteção, pois ao longo da vida somos estimulados a lidar com o medo, e assim substituí-lo o medo por situações de segurança. Aprender a usar produtivamente o medo é essencial para conseguirmos sair de nossa zona de conforto e nos aventurar pelo mundo.

Pensando nisso, é interessante notar as diferenças entre o modo como a criança e o adulto lidam com o medo. Enquanto a primeira declara que está apavorada, chora e treme, o adulto muitas vezes responde ao medo com outros mecanismos. Um adulto apavorado pode dissimular seu medo, disfarçá-lo com emoções como raiva ou tristeza, gritar e até se transformar em um tirano.

“Quando dizemos que uma pessoa é imatura, na verdade estamos dizendo que ela não aprendeu a desenvolver reações mais complexas em relação ao medo que ela sente”, explica

De acordo com os estudos de Freud, o medo pode ter uma fase de indeterminação, que é a angústia. Assim, anular o medo fingindo que ele não existe, ou seja, não observando o que nos causa aquele sentimento, pode levar a quadros de depressão, ansiedade e outros distúrbios emocionais.

“O medo envolve sempre um objeto (medo de alguma coisa). Mas há uma espécie de medo-mãe, que é quando o objeto do medo desaparece, e a isso chamamos de angústia. Ou seja, o medo no qual aquilo nos causa pavor se perde de tal maneira que experimentamos algo mais radical. Assim, a própria experimentação do medo deveria ser vista como uma conquista, porque saímos da indeterminação de não saber nem o que está acontecendo com você para focar naquilo que nos gera dor e desconforto”.

“Por outro lado, há um outro tipo de medo que gera hostilidade, que comanda nossa prontidão para agir sobre a fonte do medo, seja atacando ou negando”

“O medo vai evoluindo ao longo da vida porque vamos conquistando o desejo que atravessa o medo. Se no começo o medo é realístico e tem um objeto, depois ele muda. O medo é um indicador das imediações do desejo – seja o seu próprio ou o do outro”, afirma.

Christian explica que conforme vamos nos apropriando das muitas formas de lidar com medo, aprendemos a traduzi-lo em gestos, palavras e no próprio ato de compartilhar com alguém que estamos amedrontados. Assim, segundo ele, um adulto que se sente ameaçado diante do medo a ponto de evitá-lo a todo custo age de forma infantilizada. “Geralmente, o que acontece diante desse tipo de estratégia simplista é que a pessoa começa a ser assediada por medos internos, e o medo regride para a angústia.

Quando colamos esta fala à nossa relação com as crianças, reforçamos a importância de incentivar a educação emocional, ou seja, uma educação aberta a dialogar sobre os sentimentos, que contemple e compreenda as múltiplas dimensões do ser humano – física, social, psicológica, cultural e histórica. Afinal, somos todos feitos de sentimentos e emoções plurais, e, portanto, também de medo.  É impossível imaginar uma realidade em que o medo não exista.

O medo de ter medo

Se o medo é parte da nossa natureza humana, por que lutar contra ele? O que podemos fazer, sim, é encontrar os meios mais saudáveis e efetivos de enfrentá-lo. Quando uma criança diz que está com medo, é comum que o adulto a console dizendo “não é nada”, ou “vai passar”. Ainda que com boa intenção, ao fazer isso, muitas vezes acabamos invalidando o medo e não o enfrentando.

“Esse é um dos erros mais básicos em nossa política de educação dos afetos: imaginar que alguns afetos não deveriam existir: medo, angústia, culpa, raiva”

De acordo com a fala do psicanalista, a negação do medo acaba surtindo efeito contrário. Ao invés de apaziguá-lo, fazemos ele crescer, porque nos sentimos (ou fazemos a criança sentir) incapacitados para lidar com aquilo. O professor pondera que o que podemos transmitir à criança que tem medo, por exemplo, é a companhia no medo, admitindo que ele existe e que é preciso passar por ele, mas que não precisamos fazer isso sozinhos.

“Quando proclamamos que aquilo que a criança sente não deveria ser sentido, acabamos dizendo que diante daquilo ela está desprevenida. Estamos privando a criança de fazer um uso produtivo dos afetos. Um pouco de medo é muito importante para aprender a fazer escolhas. A coragem vem daí, é uma virtude que surge a partir do tratamento que damos ao medo”

“Acham que a coragem é a ausência do medo. Mas não é. A coragem é a travessia do medo”

Educar uma criança dá medo?

Quem é mãe, pai, cuidador, professor ou simplesmente convive com crianças no dia a dia, já experimentou vez ou outra os sentimentos dúbios que educar uma criança provoca. De um lado, a necessidade ser uma referência de segurança para a criança. Do outro, perceber-se humano, e por isso propenso a falhas. O resultado disso quase sempre é culpa e a sensação de que fracassamos. Perguntamos para Christian Dunker por que isso acontece, e por que temos tanto medo de educar. Por que, afinal, temos medo que as crianças aprendam determinadas coisas?

“Isso vem de um modelo muito simples e talvez vulnerável de construção de autoridade, baseado no seguinte: se eu te amo, vou te proteger completamente”, pondera.

“Qualquer falha na proteção, vira culpa do meu lado”

Segundo ele, é uma autoridade ilusória essa que pensa ser possível eliminar completamente o medo do outro. Como pais, é comum passar por isso, mas é importante ter em mente que o papel do adulto é oferecer companhia no medo da criança, ajudá-la a atravessar os mais diversos sentimentos que ela vai vivenciar ao longo do seu crescimento.

O psicanalista comenta também o que chama de modelo higienista de criação, ou seja, aquele em que o adulto tenta privar a criança de tudo aquilo que possa “contaminá-la”, metafórica e literalmente falando.

“Quando dizemos ‘não vai lá brincar na caixa de areia porque vai se sujar, não vai com aquele tipo de pessoa porque você pode se contaminar. Isso está dizendo o que para a criança? Que o mal está lá fora, e que aqui dentro está tudo bem. Ou seja, estamos ensinando que o mundo real, aquele pra onde a criança vai, e onde ela vai ter que lidar com conflitos e antagonismos de todo tipo, é mau”.

A fala de Dunker faz lembrar também o medo que muitos adultos têm de personagens e livros infantis que possam ensinar determinadas condutas para a criança.

“Para essa política higienista, é essencial abolir a madrasta, o Lobo Mau e outros personagens tão essenciais para a construção de imagem que localiza a angústia em um objeto. Um objeto que é simultaneamente da realidade, porque lobos existem, e da fantasia, porque o Lobo Mau é uma ficção”.

“É no limiar entre a realidade e a imaginação que a gente quer que as crianças deslanchem, porque é aí que mora a capacidade de criação”

Em relação à onda de livros proibidos no Brasil – como o de Ana Maria Machado e Luiz Puntel, que noticiamos no Lunetas -, Dunker comenta o aspecto psicológico e social dessa urgência de controle.

“Quando a gente discute que alguns livros inoculam coisas que a gente não quer na criança, estamos fazendo da criança uma extensão de nós mesmos. Estamos dizendo que, no fundo, aquela criança é propriedade minha: eu que dou educação moral que vai estabelecer para a criança aquilo que ela temer ou não”, defende.

“Para alguém se tornar autônomo e crítico, Kant dizia, só quando a pessoa sai da família e vai para o espaço público, para o outro, para o mundo. Ou seja, aquilo que é diferente dela”, diz.

“Uma educação narcísica é aquela que promete um mundo de espelhos, onde a criança só vai encontrar reflexos dela mesma”

iStock

Adultos também têm medo. Admitir isso para a criança não é negar proteção, e sim oferecer a ela a oportunidade de uma relação mais inteira.

Como lidar com o medo?

Quando alguém está com medo, o corpo dá sinais físicos. As mãos suam, as pernas tremem, a fala fica entrecortada. Há muitos indícios corporais e emocionais do medo. E quais mecanismos usamos para lidar com isso? Os adultos muitas vezes querem esconder ou disfarçar seu medo, deixam que outras emoções tomem conta, muitas delas primitivas e prejudiciais, como a agressividade, a raiva. Enquanto isso, a criança que tem medo pede abrigo, pede ajuda. Este ainda parece ser o caminho mais indicado, segundo a psicanálise.

Em uma sociedade que privilegia a capacidade de ação sobre a habilidade de sentir, é comum que os adultos se sintam encurralados em seu medo. Como pais, não querem que sua criança perceba que são vulneráveis e muitas vezes negam sentimentos para poupá-la. Qual o impacto disso no desenvolvimento dos filhos?

“Frequentemente, o pai que não autoriza que a criança sinta medo, é porque ele nega o medo e a insegurança que ele mesmo sente. Nessa forma de se relacionar, os pais não partilham isso com o filho”.

Para o professor, esse tipo de relação não compartilhada, contribui para um isolamento emocional de ambas as partes. Para lidar com o medo, é preciso antes não fazer dele um tabu.

“Como eu, adulto, lido com o medo? De ser demitido, de o casamento acabar, de ter uma doença? Quando escolho não contar, eu deixo de transmitir para a criança o que seria uma solução pra isso”

Como lidar, então? Como transmitir coragem se nós adultos também estamos com medo?

“O primeiro conselho seria respeitar as condições que você tem, que é este pai, esta mãe e esta criança. Uma boa educação não tem nem pode ter uma regra geral”, afirma

Outro ponto que fica evidente na fala do psicanalista é a importância de observar e respeitar o tempo da criança, considerando que ela nos dá muitos indícios daquilo que está preparada ou não para lidar.

“O segundo conselho seria respeitar a temporalidade das coisas. Porque tem um tempo em que o medo é produtivo. Muito mais medo paralisa, e muito menos fica desinteressante. Na investigação sobre o mundo e sobre o outro, precisamos encontrar esse tempo da criança, do quanto ela aguenta naquele momento. E aí sim ajustar as palavras que a gente escolhe, as histórias que a gente lê e as experiências que a gente provê”. Por fim, ele pontua a questão do limite na educação dos filhos

“Como a gente constrói limites? Ultrapassando. E do momento em que ultrapassamos, é importante voltar atrás, porque reconstruir aquilo que está desorganizado é essencial. Muitos pais se culpam de ter errado e fracassado em vez de construir limites”.

Existe um medo comum à nossa época?

Fizemos essa pergunta a Christian Dunker. Queríamos saber se existe um medo comum que afeta pais, professores e cuidadores em relação à criança? Para Christian Dunker, sim.

“Sim. E ele faz parte da atitude nociva de convencer a criança das coisas (e se convencer a partir do convencimento dela). Isso é um problema. E se torna um problema maior quando a gente começa a fazer isso a partir da objetivação do ódio específico. Neste momento, são os vermelhos, comunistas, gays, negros, pobres, índios”, pontua o professor.

“Vamos multiplicando a quantidade de categorias das quais se deve ter medo e ensinando a criança que o bom é a identidade igual à sua, o diferente é ruim”

Para o ele, é frequente que o adulto utilize a criança para alimentar suas próprias ilusões, principalmente àquilo de que devemos ter medo, ódio ou aversão. O psicanalista aponta que estamos vivendo um tempo difícil em relação à educação dos filhos, porque a criança frequentemente ocupa um lugar de fragilidade no imaginário dos adultos em que qualquer inimigo iminente é visto como ameaça à sua proteção, independentemente da posição política ou social que se defenda. Ou seja, há uma disputa de narrativas em jogo, em que ambos os lados brigam para ver quem consegue ‘proteger mais’ a criança.

Segundo Dunker, em relação à experiência não só escolar, mas também de vida, esse pensamento limita a visão de mundo da criança, criando o que ele chama de “projeto de condomínio” – cultural, político e social.

“Como a gente lida com o diferente, essa gente que ‘contamina’ a conversa? Elimina, tira fora do mundo, nega, invisibiliza, constrói muros. Tudo isso é o que? O modo como estamos lidando com o medo. A verdadeira educação narcísica é aquela que ensina para a criança que sua atitude de vida tem que ser a do tirano”, conclui.

“Ao invés de me juntar com o outro, nos isolamos. É uma política de redução do mundo e de expansão do eu”

Assista ao vídeo na íntegra:

Leia também:

‘Crianças com TDAH não são doentes, são caricaturas dos adultos’

Resumo

Conversamos com o psicanalista e professor da Universidade de São Paulo (USP) Christian Dunker para aprender mais sobre o medo, e também para pensar sobre ele neste momento histórico e político. Como adultos e crianças lidam com este sentimento?
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail ou WhatsApp