‘Eu sou a monstra’: ajude a monstra a descobrir quem ela é

Em seu primeiro livro ilustrado de para crianças, Hilda Hilst brinca com os sentidos das palavras e dialoga sobre a busca de identidade
iStock/arte Lunetas
  • Publicado em: 02.06.2021
da Redação

Uma monstra à procura de saber quem é convida as crianças a imaginá-la. A imaginação, tão comum ao fazer poético e às brincadeiras da infância, acompanha os pequenos no movimento de interpretar de múltiplas maneiras os passeios de Hilda Hilst (1930-2004) por temas como identidade e amizade. “Eu sou a monstra” é o primeiro livro ilustrado infantil da autora que se dedicou integralmente à criação literária, entre livros de poesia, ficção e peças de teatro.

Divulgação

Dupla de páginas do livro “Eu sou a monstra”, de Hilda Hilst, com ilustrações de Ixchel Estrada

Sem saber exatamente que caras e cores tem, a Monstra chama seu amigo Daniel para desenhá-la no papel e descobrirem juntos formas possíveis de existir. Por meio de perguntas sobre sua aparência e seus gostos, a Monstra vai se construindo como um ser multifacetado, cheio de sonhos e contradições. Astronauta, bruxa, rainha, roseira ou simplesmente sucata, a Monstra pode se transformar naquilo que ela quiser, assim como o pequeno leitor, a bordo das palavras da poeta.

“E o que seria da Monstra
Se não fosse poeta
Para brincar de medo
De magia, de loucura
E de dedo”
– Hilda Hilst

Com uma linguagem repleta de humor e vigor, típica da poética hilstiana, “Eu sou a monstra” brinca com os limites dos significados das coisas e com os sentidos das palavras. Para combinar com a proposta disruptiva e inventiva da poesia de Hilda, os traços fortes e as cores vibrantes da artista mexicana Ixchel Estrada reforçam o poder que sua obra possui de dialogar com os mais diversos públicos, criando a cada página figuras diferentes, com cores vibrantes, traços marcados e colagens.

“Eu sou a monstra” (Companhia das Letrinhas) Neste único texto de Hilda Hilst voltado para o público infantil, com ilustrações de Ixchel Estrada, a Monstra pode se transformar em tudo aquilo que ela quiser – e a imaginação do leitor permitir. Isso porque talvez nem a monstra saiba como ela é. Então, que tal desenhá-la e dar a ela formas possíveis? Ela pode ser fina ou larga, uma rainha ou um astronauta, uma roseira ou simplesmente sucata. Escrito originalmente em 1988, o poema é dedicado a Daniel, filho do artista plástico Mora Fuentes, um grande amigo de Hilda.

Leituras afetivas do poema “Eu sou a monstra”

No vídeo a seguir, a escritora Aline Bei empresta sua sensibilidade às palavras de Hilda. Outras autoras, como Luiza Romão e Regina Azevedo, também fizeram suas leituras do poema

Leia mais

15 livros de poemas infantis para presentear crianças com poesia

Resumo

Único poema infantil escrito por Hilda Hilst convoca as crianças a soltarem a imaginação. Por meio do desenho, cada um pode ajudar a monstra a descobrir quem é.
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail

Últimos posts