Infâncias plurais: vídeos sobre a importância do brincar

Publicado em: 28.10.2021

A importância do brincar

Seja a partir de uma música, da adivinhação de brincadeiras ou da construção de brinquedos, a palavra de ordem é se divertir! As produções a seguir são um manifesto em defesa do brincar livre.

Abaixo você encontrará uma coletânea com 5 vídeos sobre a temática para ver quantas vezes quiser. Divirta-se! Para mais informações sobre o projeto Infâncias Plurais, visite: www.lunetas.com.br/infâncias-plurais.

Recarregando as baterias!

Yuri da Silva Vasconcellos - Cabo Frio/RJ

Ana Maria está na última fase do joguinho no celular, mas a bateria está acabando! Ela corre aflita pela casa procurando uma tomada para o carregador. Três por cento, 2%, 1% e ela encontra, mas já é tarde demais, o celular desliga. E agora? Ela vai ter de parar de brincar? Seu avô aparece com uma solução – uma não, infinitas! – e os dois vivem uma aventura surpreendente.

Recarregando as baterias! ecoa a pesquisa e o trabalho desenvolvidos pelo arte-educador Yuri da Silva Vasconcellos em prol da valorização das brincadeiras tradicionais na educação de crianças, jovens e adultos. Ao lado da professora de artes Ana Luiza Barbosa, ele fundou o Projeto Feito para Brincar, que desenvolve oficinas e capacitações sobre o brincar, suas origens e seu valor pedagógico, humano e como patrimônio cultural da sociedade.

O vídeo foi feito em animação 2D, com desenhos digitais e inserção de fotografias de quadros do artista Ivan Cruz, seu pai, que pinta e esculpe obras com o tema da infância e do brincar. Os maiores desafios da produção foram contar a história em apenas 2 minutos e fazer centenas de desenhos para criar algumas cenas quadro a quadro.

Sobre a participação na jornada Infâncias plurais, Yuri exalta que “foi um projeto que se mostrou maravilhoso em todas as etapas. Fiquei impressionado com todo o carinho, o respeito e o profissionalismo em relação à criança e à sua pluralidade”.

O autor espera que o vídeo, ao unir avô e neta para solucionar um problema, promova a ideia de que a alegria da infância está no encontro, na troca de experiências e, principalmente, em tudo mais que a imaginação desejar.

https://bit.ly/infancias-plurais-importancia-do-brincar-recarregando-as-baterias

Dodô

Ramona Rodrigues de Sousa e Issel Oliveira Chaia - Campo Grande/MS

Numa oficina de criação, uma artesã faz um boneco para presentear uma criança. O que ela não imagina é que o brinquedo ganhará vida num passe de mágica! Em Dodô, assistimos à confecção artesanal de um brinquedo com materiais recicláveis e naturais, como penas e uma cabaça.

As autoras do vídeo, Ramona Rodrigues de Sousa e Issel Oliveira Chaia, captaram as imagens com seus próprios celulares e que usaram a técnica de stop-motion para dar vida ao personagem, sendo os maiores desafios da produção a montagem dos movimentos do boneco e a edição.

Reforçando a importância do trabalho artesanal e de dar a crianças e adolescentes a possibilidade de construírem seus próprios brinquedos com materiais disponíveis em casa, elas buscam estimular a valorização dessa prática e também o brincar ao ar livre.

Ramona e Issel desenvolvem atividades culturais que envolvem a pesquisa e a realização de oficinas e eventos direcionados à infância e à família. “Foi quando nos tornamos mães que passamos a acreditar que é na infância que fixamos nossos valores, que o indivíduo se constitui para a sociedade, e por isso é tão importante falar do brincar e vivenciá-lo.” Nesse sentido, a participação na jornada Infâncias plurais veio lhes proporcionar capacitação e uma oportunidade de interagir com outros profissionais e com linguagens diversas.

https://bit.ly/infancias-plurais-importancia-do-brincar-dodo

Jokenpô

Fabio dos Santos Ekman Simões, Flávia Costa Prazeres e Julia de Albuquerque Paladino - São Carlos/SP

Pedra, papel, tesoura. Papel embrulha a pedra, que quebra a tesoura, que corta o papel. Quem aí se lembra dessa brincadeira? O curta-metragem Jokenpô, videoclipe de uma canção autoral de mesmo nome, nos faz rememorar como ela funciona e ainda sugere outras brincadeiras para as crianças, como desenhar, recortar e quicar pedrinhas num lago.

O vídeo é resultado de um trabalho coletivo elaborado por Fábio dos Santos Ekman Simões, Flávia Costa Prazeres e Julia de Albuquerque Paladino. O trio de São Carlos produziu a canção a partir da letra que Fábio Ekman criou com seus alunos na aula de música,  com origem nas matrizes asiáticas ancestrais, coreografia simples com as mãos e muitas possibilidades de interação.

O processo de arranjo e gravação trouxe o desafio de ser realizado a distância, por conta da pandemia. Todos os áudios foram gravados pelo celular e mixados de maneira caseira. Depois, foi o momento de realizar as filmagens com as crianças da Ecovila Tibá, o que acabou sendo mais fácil, pois elas já estavam em contato. “Foi bem emocionante vê-las brincando num momento tão delicado de pandemia. A captação das imagens foi bem natural e intuitiva. Queríamos imagens das crianças brincando livremente”, revela o grupo.

Afinal, um dos principais objetivos do trabalho é mostrar a potência e a plenitude da criança quando brinca. Para os participantes do Infâncias plurais, as crianças  “podem ser elas mesmas quando estão em contato com seus pares e com a natureza. É sempre possível ressignificar os brinquedos ancestrais e perpetuar a essência do brincar criativo”. 

https://bit.ly/infancias-plurais-importancia-do-brincar-jo-ken-po

Língua de brinquedo

José Carlos Rêgo - Salvador/BA

Bora brincar de adivinha e de trava-línguas? Língua de brinquedo apresenta textos da tradição oral das culturas populares e funciona como um convite para que as crianças interajam oralmente. “A expectativa é favorecer experiências lúdicas com a oralidade e vincular a criança ao universo das adivinhas, das parlendas, dos provérbios e dos desafios”, conta José Carlos Rêgo, responsável pela produção.

José faz parte de um grupo de artistas educadores interessados no repertório de brincadeira, brinquedos, cantigas e histórias da infância, tendo como principais fontes de pesquisa os textos da tradição oral, a literatura e o cancioneiro popular. “É a partir do repertório inventariado que produzimos espetáculos e organizamos oficinas e aulas-espetáculo para diferentes contextos formativos.”

A escolha pelo tema do vídeo se deu por essa ligação do grupo com o assunto e pelo entendimento de que há uma língua de brinquedo, na qual a palavra vale também pela alegria de ser evocada, vinculando ainda mais as crianças à oralidade.

Língua de brinquedo noticia que há um enorme repertório de brinquedos na língua oral das infâncias brasileiras que pode ser acessado ludicamente e que não é incompatível com os suportes e os dispositivos tecnológicos que constituem parte importante das situações de aprendizagem experienciadas pelas crianças contemporâneas. “A língua oral brasileira sabe conjugar a infância porque existe em estado de jogo, é inventiva, atual, corpórea, gratuita, traquina, capaz de articular alegria, inteligência e sensibilidade”, completa José.

https://bit.ly/infancias-plurais-importancia-do-brincar-lingua-de-brinquedo

Que brincadeira é essa?

Daiana Scaramussa dos Santos - Vitória/ES

Neste vídeo, enquanto a personagem brinca, quem assiste precisa acertar qual é a brincadeira! Que brincadeira é essa? apresenta diferentes tipos de jogos, além de estimular a criatividade do espectador para que se divirta junto.

Tem amarelinha, pique-esconde, passa-anel, bola de gude e por aí vai. Ao todo, são 16 brincadeiras comuns em diversas regiões do país. Segundo Daiana Scaramussa dos Santos, idealizadora do projeto, o objetivo é revelar a importância do brincar, por meio do qual “a criança descobre a si mesma e o mundo que a rodeia, experimentando e explorando diversas possibilidades, como sons, cores, texturas, os espaços e o próprio corpo”.

Ela explica que o tema da infância sempre esteve presente em sua vida, já que faz questão de cultivar com carinho suas memórias afetivas e inseri-las nas atividades com as quais se envolve. “Se perdermos a essência da infância, perdemos a capacidade de fantasiar, criar e sonhar..” 

Formada em artes, Daiana já trabalhou com crianças e adolescentes em projetos sociais e há nove anos participa do Grupo Estripolia de teatro e música para crianças, responsável pela trilha do vídeo. O Infâncias plurais foi, para ela, “uma oportunidade bastante enriquecedora e muito gratificante” de ampliar conhecimentos, além de entrar em contato com profissionais de diversas partes do Brasil.

https://bit.ly/infancias-plurais-importancia-do-brincar-que-brincadeira-e-essa