10 ilustrações de heroínas negras para colorir com as crianças

Artista visual, Taynara Cabral, compartilha material inspirado em protagonistas negras da história para colorir durante a quarentena
10 Ilustrações de heroínas negras pra colorir Istock/arte Lunetas
  • Publicado em: 23.03.2020
da Redação

Está liberada a propagação de mulheres corajosas, guerreiras, escritoras e com o dom da música. A artista visual e comunicadora, Taynara Cabral, disponibilizou dez desenhos que ilustram mulheres negras para colorir em casa com as crianças durante a quarentena. Inspiradas em pensamentos e ações dessas mulheres, as imagens estão acompanhadas dos “super poderes” de cada uma delas, que hoje inspiram novas gerações na luta antirracista.

As ilustrações trazem Angela Davis, Carolina de Jesus, Tia Ciata, Conceição Evaristo, Ivone Lara, Dandara, Lélia Gonzalez, Luíza Mahin, Marielle Franco e Tereza de Bengela. São mulheres que, em diferentes momentos, protagonizaram o cenário da música, da literatura, da política e das revoluções populares. A atividade pode ser uma oportunidade de distrair as crianças pela pintura, mas também pela contação de trajetórias de vidas que fizeram e seguem fazendo história.

Para imprimir o material da oficina, basta acessar o site da ilustradora e apertar na opção “Clique aqui”, logo abaixo das imagens.

Heroínas Negras 

Angela Davis: militante feminista, participou do movimento dos Panteras Negras, nos Estados Unidos, na década de 1960, pela luta contra a segregação do povo negro. Foi perseguida e hoje alcança notoriedade mundial, como filósofa, professora e representante da luta pelos direitos das mulheres negras. 

Carolina de Jesus: foi moradora da favela do Canindé, Zona Norte de São Paulo. Trabalhava como catadora e registrava o cotidiano da comunidade em cadernos que encontrava no lixo. Ela é considerada uma das primeiras e mais importantes escritoras negras do Brasil.

Tia Ciata: Hilária Batista de Almeida fugiu da Bahia durante a diáspora negra e chegou ao Rio de Janeiro, onde se tornou mãe de santo. Presenciou e estimulou o nascimento do samba em sua casa de candomblé, na região carioca conhecida como “Pequena África”. 

Conceição Evaristo: escritora e educadora mineira, trabalhou como professora da rede pública fluminense. É romancista, contista e poeta, um dos nomes mais relevantes da literatura brasileira contemporânea. 

Ivone Lara: mais conhecida como “Dona Ivone Lara”, cantora carioca, instrumentista e uma das pioneiras no samba como compositora e intérprete. É a primeira mulher a integrar a Ala dos Compositores da escola de samba Império Serrano. 

Dandara: lutou junto a seu companheiro Zumbi dos Palmares e foi líder, no século 17, do Quilombo dos Palmares, o maior das Américas. 

Lélia Gonzalez: antropóloga, professora e ativista brasileira. É pioneira na formação e liderança do movimento negro no Brasil. Sua obra enfatiza o protagonismo negro, particularmente das mulheres, na formação social e cultural dos territórios.

Luíza Mahin: trazida como escrava ao Brasil, se tornou uma das lideranças da Revolta dos Malês, em 1835. Quituteira de profissão, utilizava seu tabuleiro para distribuir mensagens em árabe contra a escravidão. 

Marielle Franco: socióloga e vereadora do Rio de Janeiro, entre 2017 e 2018. Nascida na favela da Maré, se tornou símbolo da luta pelas direitos humanos no Brasil. 

Tereza de Bengela: liderou o Quilombo de Quariterê após a morte de seu companheiro, José Piolho. Criou uma espécie de parlamento e sistema de defesa, com aproximadamente 79 negros e 30 índios, em território que hoje corressponde ao Moto Grosso.

Taynara Cabral é idealizadora e diretora artística do projeto “Insubmissas Trajetórias Negras”, um calendário para o ano de 2020, impulsionado por uma campanha de financiamento coletivo, na plataforma Catarse. A iniciativa, concluída em novembro de 2019, quase dobrou a meta de R$ 8 mil. A proposta, de acordo com a divulgação do trabalho, foi homenagear mulheres negras que transformaram suas vidas em luta contra o racismo e outras desigualdades sociais.

Tay Cabral

A edição de 2020 do calendário é composta por Dandara, Flávia Oliveira, Lélia Gonzalez, Luiza Mahin, Marielle Franco, Marilza Barbosa, Mãe Stella de Oxóssi, Joana Felix, Jurema Werneck, Ruth de Souza, Tereza de Benguela e Tia Ciata.

Leia também: 

15 conteúdos para inspirar a prática de uma educação antirracista

 

Resumo

A artista Taynara Cabral disponibilizou dez desenhos que ilustram mulheres negras da história para colorir em casa com as crianças durante a quarentena. As imagens vêm acompanhadas de "super poderes" que inspiram a luta contra o racismo. Confira!
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail ou WhatsApp