História e cultura quilombola formam os líderes do futuro

Com ênfase em cultura e história dos quilombos, formação é voltada para estudantes a partir do oitavo ano e educadores inseridos na educação quilombola
iStock/Arte Lunetas
  • Publicado em: 13.04.2022
da Redação

Conhecer e estudar a própria cultura, enfrentar o racismo e o sexismo, e se envolver em questões voltadas ao território é a premissa da Escola nacional de formação de meninas quilombolas. Estão abertas 50 vagas para estudantes quilombolas de todo o Brasil e 50 vagas para professores que atuem na educação dos quilombos, fortalecendo os conhecimentos pedagógicos sobre modos de vida, direitos, história e cultura quilombola.

Com edital realizado pelo Coletivo de educação da coordenação nacional de articulação das comunidades negras rurais quilombolas (CONAQ) e apoio da Fundação Malala, o objetivo da formação é fortalecer a identidade das adolescentes quilombolas, por meio da história das comunidades quilombolas; acesso a direitos e educação; questões de gênero, raça e território; combate ao racismo; e engajamento na luta política de movimentos quilombolas, questões geralmente ignoradas pelo currículo formal das escolas.

“A escola nacional de formação de meninas quilombolas nasce em função de percebermos o quanto as vozes das mulheres quilombolas ainda são silenciadas e o quanto o sistema educacional atual colabora com esse silenciamento”, conta, em nota, Givânia Silva, coordenadora do coletivo de educação da CONAQ. Para a educadora, a premissa da formação é “fortalecer as vozes dessas meninas com conteúdos para que possam defender seus territórios e seus modos de vida”, considerando meninas e meninos da educação básica  lideranças importantes para combater o racismo e o sexismo. 

Como participar?
Podem participar meninas e meninos quilombolas entre o oitavo ano do ensino fundamental e o segundo ano do ensino médio, além de professoras e professores que atuem na educação quilombola. As inscrições são gratuitas e devem ser realizadas no site da CONAQ, até 1 de maio. Para concorrer a uma das vagas, os candidatos devem estar enviar uma redação sobre como é ser estudante ou professor quilombola e, se necessário, conforme a quantidade de inscrições, uma entrevista.

O projeto dedica 37 das 50 vagas de estudantes exclusivamente para meninas quilombolas. Os selecionados irão receber um tablet, apoio para obterem materiais didáticos e acesso à internet, além de participarem de programa pedagógico quilombola com ações de advocacy. O resultado final com a lista de selecionados está previsto para o dia 16 de maio.

Leia mais

Crianças do Quilombo Urbano resgatam parte da história de Manaus

Resumo

Projeto realizado pela Escola nacional de formação de meninas quilombolas oferece formação para meninas e meninos de quilombos e educadores inseridos nestas comunidades, com objetivo de fortalecer as identidades quilombolas dos participantes.
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail