Carregando...

10 livros para celebrar a paternidade amorosa e presente

Títulos que abordam a relação entre pais e filhos para ler junto com os pequenos
10 livros para celebrar a paternidade amorosa e presente
  • Publicado em: 09.08.2016
  • Atualização: 19.06.2018

Procurando sugestões de presente para o Dia dos Pais? Que tal aproveitar a oportunidade para oferecer livros infantis de qualidade, criando momentos únicos de aproximação entre pais e filhos?

Nosso parceiro A Taba preparou uma lista com 10 títulos que abordam essa relação tão especial que, certamente, irão emocionar e divertir adultos e crianças.

1. “Mas papai…”, de Mathieu Lavoie e  Marianne Dubuc 
Para quem tem filhos pequenos, a hora de dormir é uma grande aventura que envolve doses generosas de criatividade e paciência. Muitas vezes, as crianças relutam em se entregar ao sono, inventando mil motivos para manter a presença dos pais e prolongar o tempo acordados. É esse o mote do livro: um pai cansado tenta colocar seus dois macaquinhos para dormir, sendo interrompido a todo momento pelos pedidos dos pequenos, até que…leia e descubra!
2. “Eu grande, você pequenininho”, de Lilli L’Arronge
Nesse livro, a autora constrói uma série de jogos entre palavras e imagens, apresentando diferentes situações nas quais pai e filho interagem e demonstram seus sentimentos. Ao longo das páginas, o leitor pode apreciar o texto rimado e sua relação com cada uma das ilustrações sensíveis e divertidas, que conferem ainda mais graça à obra. Ao final da leitura, não será uma surpresa se pai e filho sentirem-se convidados à criar novas brincadeiras, construindo juntos sua própria versão do livro.
3. “Papai!”, de Philippe Corentin 
A história é contada de forma original, cada metade do livro explora a perspectiva de um dos personagens, que no final das contas se espelham. Assim, o leitor percebe que o drama enfrentado por cada um dos personagens consiste num medo infundado, pois se dá em virtude da falta de conhecimento que nenhuma das criaturas se preocupa em preencher.
4. “Meu pai é grande, é forte, mas…”, de Coralie Saudo e  Kris di Giacomo
Para os pequenos, os pais sempre parecerão grandes e fortes, capazes de feitos incríveis. No entanto, algumas vezes, os adultos podem agir como crianças e provocar uma grande confusão. É assim a brincadeira proposta por Coralie Saudo nesse livro. Contemplando as diferentes situações comuns ao momento de dormir, a autora cria uma narrativa bem humorada que se torna ainda mais divertida com os desenhos de Kris Di Giácomo, que remetem ao traço infantil e ressaltam o jogo de contrários onde as crianças assumem o papel de adultos e vice-versa.
5. “Um papai sob medida”, de Davide Cali
A protagonista desse livro tem a mãe mais especial do mundo: alta, linda esperta e capaz de fazer coisas incríveis. Mas, para essa menina falta encontrar um pai que esteja à altura dessa mulher extraordinária. Juntas, mãe e filha decidem publicar um anúncio no jornal e dar início a um rigoroso processo de seleção para escolher um companheiro sob medida para sua família. De maneira divertida e sensível, Davide Cali narra com poesia a busca por afeto e reconhecimento entre as pessoas. As ilustrações de Anna-Laura Cantone acrescentam ainda mais humor à história, aproximando o leitor da visão de mundo da protagonista.
6. “Olívia tem dois papais”, de Márcia Leite 
O desenho do porta-retratos da família de Olívia, ilustrado por Taline Schubach e que abre o interessante livro de Márcia Leite, é a porta de entrada para a história da menina, que tem dois papais, como já explícito no título. A menina Olívia tem imenso poder de usar as palavras para convencer a cada um dos papais – Luís e Raul – de tudo o que quer; basta dizer “entediada”, e papai Raul para o que estiver fazendo para brincar com a filha; com o papai Luís, a palavra de ordem é “desfalecer”. Colocadas entre aspas, essas – e outras palavras – fazem parte do vocabulário da menina e estarão presentes ao longo de toda a história, para demarcar os sentimentos de Olívia e sua relação com seus pais. As ilustrações – que aparecem pontualmente no livro – deixam evidentes os assuntos adoção e filhos de casais do mesmo sexo de maneira delicada e cheia de cores vivas. Os diálogos também estabelecem com o leitor um “jogo” franco, sem, no entanto, abrir mão da sutileza e da precisão na construção da história, características essenciais aos livros “encantadores”, como diria Olívia.
7. “Papai e eu, às vezes”, de María Wernicke
Às vezes, a relação entre pais e filhos é marcada por sentimentos confusos, traduzidos em silêncios que têm muito a dizer. Nesse livro, uma menina narra o choque entre vontades nos momentos em que deseja a presença do pai e sua participação nas atividades que compartilham nos diferentes momentos da rotina. As ilustrações de María Wernicke criam imagens que retratam ora a visão do pai, ora a visão da criança, preenchendo as páginas de poesia e beleza.
8. “O dia em que troquei meu pai por dois peixinhos dourados”, de Neil Gaiman
Chama atenção o título inusitado do primeiro livro infantil de Neil Gaiman, publicado recentemente no Brasil. É certo que crianças e muitos adultos também gostam de fazer trocas de seus pertences com amigos e conhecidos. Especialmente daqueles objetos que já não lhes servem mais ou pelos quais já perderam o interesse. Mas, se você quisesse muito os dois peixinhos dourados do seu melhor amigo, você os trocaria por qualquer coisa, até mesmo seu pai? Essa é a escolha que motiva a aventura vivida por dois irmãos que, depois de levar uma bronca de sua mãe, partem em busca de resgatar o pai, em uma sucessão de trocas entre objetos e seres, contada com humor e ironia por um dos grandes escritores da atualidade.
9. “Papai tatuado”, de Daniel Nesquens
Como o dia e a noite, um pai, quase encantado, parte e volta sem avisar, trazendo para o filho, tatuadas no corpo, as histórias fantásticas de sua vida. Realidade e fantasia confundem-se neste livro divertido e emocionante, que vem cunhar a importância da figura do pai em todas as infâncias.
10. “Meu pai é um homem-pássaro”, de David Almond 
Não deve ser nada comum ter um querido pai que pensa que é um pássaro. Não mesmo… Por isso, a vida de Lizzie não é nada fácil. Seu papai não pensa, ele tem certeza que pode voar. A casa deles tem ninhos, minhocas e muitas penas para fazer asas, enquanto parentes e vizinhos querem colocar ordem naquela bagunça toda que fica pior a cada dia. Pobre Lizzie! Somente ela poderá ajudar seu querido pai. E, para piorar, vai haver um concurso de homens voadores. Oh, não!!! David Almond estreia no Brasil com esta delicada e caprichada narrativa cheia de metáforas. Voar talvez não seja realmente sair do chão em direção ao céu. Em um clima delicado de realismo mágico, o qual as crianças podem não entender literariamente, mas desfrutam com prazer e curiosidade, o tecido das aventuras desse papai desesperado e sua filhinha dedicada vai enlaçando os leitores de maneira inusitada, mas, ainda assim, bastante afetuosa e familiar. Atenção, leitores: visitem de vez em quando as páginas 56 e 57.

Resumo

Livros infantis que celebram a relação entre pais e filhos são uma ótima forma de fortalecer vínculos afetivos. Confira essa seleção do nosso parceiro A Taba.
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail ou WhatsApp