Em ‘Clariô’, a fé no espiritual rege o som do Barbatuques

Feita em parceria com o músico italiano e o trio Clarianas, “Clariô” é sobre ter axé e fazer acontecer
Divulgação/Arte Lunetas
  • Publicado em: 07.06.2022
da Redação

Música corporal, vocais femininos e ritmos brasileiros como ijexá, coco e baianá: assim nasce “Clariô”, o mais recente lançamento do Barbatuques. Realizada em parceria com o grupo Clarianas e o músico italiano Stefano Baroni, “Clariô” surge “como uma reza, nestes tempos difíceis, um pedido de proteção, de iluminação, uma invocação para abrir caminhos, como um ritual para transmutar o que é preciso”, relata Charles Razl, músico do Barbatuques responsável por essa letra.

“É fogo que arde queimando
Abrindo os caminhos do povo de fé”

Charles vive na Itália desde o início da pandemia e foi lá que conheceu o multi-instrumentista Stefano, que atua também com música circular e corporal, e que criou a composição da melodia e arranjos para essa faixa. 

“Canta pra chover
Toca pra dançar
Chama pra descer
Chora pra limpar”

“Clariô” é o terceiro lançamento de uma série de sete músicas previstas para 2022 (já foram lançadas “Gogó da Ema” e “Natureza”). As próximas canções são “Na roda do mundo” (lançamento em 15 de julho); “Eu vou cantar” (19 de agosto); “Rosa de fogo” (23 de setembro); e “Entre amigos” 21 de outubro, com participação de Lenine). 

Leia mais

Como a intolerância religiosa afeta os direitos das crianças?

Resumo

“Clariô” nasce da vontade de fazer acontecer e de ter fé no dia de amanhã. Música é uma parceria entre Barbatuques, o músico italiano Stefano Baroni e o trio Clarianas.
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail