Cartilha alerta sobre o bullying no ambiente escolar

Material mostra como identificar vítimas de bullying e propõe trilha para educadores implementarem nas escolas
iStock/Arte Lunetas
  • Publicado em: 20.05.2022
da Redação

“Intimidar” ou “ameaçar” são algumas das traduções possíveis para “bullying”, palavra em inglês que dá nome a atos de violência realizados no ambiente escolar, por exemplo. Segundo a Secretaria da Educação de São Paulo, os dois primeiros meses de aula de 2022 registraram 4.021 casos de agressões físicas nas unidades estaduais: 48,5% a mais que no mesmo período de 2019. Devido ao aumento de casos, a equipe pedagógica da Geekie preparou uma cartilha com dicas para abordar o tema bullying com educadores, familiares e responsáveis.

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) alerta que o bullying pode aparecer de diversas maneiras: verbal, física, escrita, psicológica, moral, social e material, além do cyberbullying, quando as agressões acontecem virtualmente. Em 2019, 23% dos 180 mil estudantes ouvidos em estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) registraram que se sentiram ameaçados e humilhados em aplicativos e redes sociais pelo menos uma vez.

Como identificar o bullying?

A diretora pedagógica Camila Karino selecionou algumas práticas de bullying para alertar pais, educadores e responsáveis:

  • Apelidos e provocações feitos para ofender uma pessoa;
  • Observações LGBTQIA+fóbicas, sexistas e/ou racistas;
  • Agressões que causam danos físicos, como batidas, empurrões, chutes, beliscões e outras lesões ligadas a atos de pressão e contato;
  • Exclusão social com o objetivo de humilhar, imitações usando características pessoais da vítima;
  • Divulgação de boatos;
  • Estragar, furtar ou qualquer outro dano aos pertences da vítima, como cadernos, mochilas, lancheiras, entre outros objetos;
  • Abusos e/ou assédios sexuais.

Já o cyberbullying se expressa em agressões realizadas no ambiente digital, como redes sociais e aplicativos de mensagens. Algumas das práticas são o envio de mensagens ofensivas (diretas ou anônimas), publicação e divulgação de fake news, postagens, imagens e/ou vídeos que ferem a integridade da vítima.

A cartilha defende que conscientização é a chave para prevenir o bullying na escola, criando uma trilha de aprendizado para educadores trabalharem o tema nas escolas:

  • Entender a importância do combate ao bullying e pesquisar sobre o tema;
  • Envolver professores e equipe pedagógica, capacitando-os por meio de treinamentos e formações;
  • Promover escuta ativa e criar ambientes emocionalmente saudáveis, investindo em educação socioemocional e inserindo a temática no currículo, durante aulas e atividades;
  • Realizar parcerias com as famílias, conscientizando-as sobre a importância do diálogo e do acompanhamento do estudante na escola;
  • Conhecer a legislação vigente sobre o assunto.

Há sintomas e consequências do bullying que podem ser identificados no aluno, como dificuldade de aprendizado, ansiedade, depressão, afastamento social, evasão escolar, entre outros. Segundo a SBP, em muitos casos, os autores do bullying usam as diferenças dos alvos (altura, peso, gênero etc.) para persegui-los. Por isso, é preciso saber sobre o que os jovens conversam e conscientizá-los sobre a importância do respeito às diferenças.

Leia mais

10 livros para ajudar na conversa sobre bullying com as crianças

 

Resumo

Bullying é coisa séria: atos de violência física e psicológica no ambiente escolar devem ser combatidos.
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail