‘Ultraprocessados escravizam o paladar da criança”, diz pediatra

O aumento da obesidade infantil no Brasil tem relação com uma mudança no padrão alimentar do país
iStock
  • Publicado em: 16.01.2018

Na última quarta-feira, 10 de janeiro, o canal Criar e Crescer publicou um episódio que fala sobre “obesidade e estilo de vida”. Em seis minutos, o pediatra Daniel Becker afirma que o aumento da obesidade infantil no Brasil tem relação com uma mudança no padrão alimentar do país.

“A nutrição mundial faz enormes elogios a alimentação tradicional brasileira, porque é uma alimentação completa. Nós temos o arroz, que é rico em carboidrato. Temos o feijão, que é rico em proteína vegetal. Temos a carne ou o frango, que são ricos em proteína animal.

A saladinha, que é rica em fibras, e os legumes, ricos em uma série de vitaminas, complementos e fibras. Estamos trocando isso por uma alimentação baseada em alimentos industriais, que são os alimentos ultraprocessados”, explica.

Ele reforça ainda que, ao mesmo tempo em que é importante estar atento ao tipo de alimentação que estamos oferecendo às crianças, é essencial não culpabilizar os pais, mães e cuidadores pela obesidade de seus filhos. Daniel afirma que vivemos um contexto social, uma conspiração da nossa cultura que faz com que “a gente esteja engordando como civilização”.

“A primeira coisa que temos que entender: não é culpa de ninguém, não é uma responsabilidade específica da família.

Mas por outro lado, é possível fazer alguma coisa para mudar esse quadro, como ter um olhar crítico sobre a nossa cultura, a publicidade e como outras pessoas estão alimentado seus filhos”.

Em sua opinião, os alimentos ultraprocessados “são os grandes vilões que levam ao sobrepeso”. Além disso, crianças que passam a consumir muitos alimentos processados podem começar a recusar os naturais.

“Através de uma engenharia alimentar muito sofisticada, os processados se tornam irresistíveis a custa de muito sal, açúcar – com com todos os seus disfarces – e gordura. É uma apresentação irresistível para a criança e que escraviza o seu paladar”.

Outro elemento que contribui para essa atração é a publicidade. “Não é à toa que se gastam bilhões e bilhões em publicidade de alimentos. A publicidade é muito influente no nosso comportamento”.

Assista ao vídeo

Resumo

"Através de uma engenharia alimentar sofisticada, eles se tornam irresistíveis a custa de muito sal, açúcar - com com todos os seus disfarces - e gordura", diz o pediatra Daniel Becker. Assista ao vídeo!
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail