Carregando...

Professor não quer arma: campanha debate violência nas escolas

Campanha #ProfessorNãoquerArma acontece nas redes sociais no dia 15, sexta-feira, a partir das 14h
armasnao
  • Publicado em: 15.03.2019
da Redação

Na manhã de quarta-feira (13), dois jovens entraram armados na escola estadual Raul Brasil, em Suzano, na região metropolitana de São Paulo, e efetuaram disparos que deixaram mortos e feridos, entre alunos e funcionários.

Dentre muitos debates que estão sendo pautados desde o ocorrido, o senador Major Olímpio (PSL-SP) reproduziu a  que os professores deveriam estar armados em sala de aula.  “Se os professores estivessem armados, e se os serventes estivessem armados, essa tragédia de Suzano teria sido evitada”, disse Olímpio durante reunião da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do dia 13 de março.

O Instituto Sou da Paz, que há mais de quinze anos trabalha para reduzir a violência no Brasil, articulou com professores a campanha #Professornãoquerarma. “A ideia é tentarmos fazer subir nos trending topics do Twitter a hastag para propormos uma reflexão que não são as armas que vão resolver problemas de violência hoje, no Dia da Escola”, diz a organização.

Posse de armas no Brasil

Em janeiro de 2019, o presidente Jair Bolsonaro assinou um decreto que flexibiliza a posse de armas no país. O decreto n° 9.685 alterou regras previstas em um decreto anterior, de 2004, que regulamentava o Estatuto do Desarmamento, de 2003. A nova norma torna menos rígidos os critérios para alguém solicitar a posse de arma de fogo, ou seja, para mantê-la em casa ou em estabelecimento comercial do qual seja proprietário.

Revisão do Estatuto do Desarmamento: como isso afeta as crianças?

Resumo

Criada pelo Instituto Sou da Paz, a campanha defende que a posse de armas não resolve os problemas de segurança na escola.
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail ou WhatsApp