Meninas fazem mais trabalho doméstico que meninos, diz estudo

A análise foi realizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Trabalho doméstico iStock
  • Publicado em: 07.03.2017
  • Atualização: 21.07.2018
da Redação

Se você, mulher, se sente constantemente sobrecarregada, não é para menos. O estudo Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça, divulgado nessa segunda (6), aponta que as mulheres trabalham 7,5 horas a mais que os homens por semana. Em casa, elas também não descansam: mais de 90% declararam realizar trabalho doméstico, em oposição a 50% dos homens.

E nem as meninas escapam. Segundo dados de 2015, 25% das garotas negras de cinco a nove anos desempenham atividades desse tipo no lar, seguidas por pouco mais de 20% das meninas brancas, depois por 16% dos meninos, brancos e negros empatados.

Essa análise foi realizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) com base em dados coletados desde 1995 pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), do IBGE. As informações estão relacionadas à constituição familiar, comportamento no mercado de trabalho, educação e renda.

Divisão desigual

Natália Fontoura, uma das especialistas autoras do trabalho, declara no texto do relatório:

“É importante ressaltar que o fato de exercer atividade remunerada não afeta as responsabilidades assumidas pelas mulheres com as atividades domésticas, apesar de reduzir a quantidade de horas dedicadas a elas. As mulheres ocupadas continuam se responsabilizando pelo trabalho doméstico não remunerado, o que leva à chamada dupla jornada”.

O curioso é que, quando se trata de divisão de tarefas no lar, a proporção entre a atuação de mulheres e homens tem se mantido quase inalterada ao longo dos últimos 20 anos. No entanto, a pesquisa constatou que a renda interfere nessa equação.

Assim, quanto mais alta a renda das mulheres, menor a proporção das que afirmam realizar tarefas domésticas. Entre as que recebem até um salário mínimo, 94% se dedicam ao trabalho em casa, enquanto, entre as que ganham mais de oito salários mínimos, 79,5% declaram desempenhar essas funções.

Já entre os homens, a relação é inversa: 57% dos que têm renda entre cinco e oito salários mínimos dizem realizar esses afazeres, ao passo que, dentre os de baixa renda, apenas 49% afirmam desempenhar serviços domésticos.

Novas configurações familiares

Outra conclusão da pesquisa está ligada à nova configuração das famílias brasileiras. Em 1995, os núcleos compostos pelo casal e seus filhos representava 58% das famílias entrevistadas, mas em 2015 esse número caiu para 42%. Por outro lado, cresceu a quantidade de lares compostos por uma só pessoa e por casais sem filhos, o segundo tipo de arranjo mais comum, de 20% das famílias.

Resumo

Pesquisa da Ipea concluiu que mulheres trabalham mais do que os homens tanto fora quanto no ambiente doméstico. Dentre as crianças, meninas negras ajudam mais.
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail