Livro ‘Lute como uma princesa’ recria as biografias das princesas

Na versão da Boitatá, A Pequena Sereia é uma ambientalista de sucesso, A Bela Adormecida é pesquisadora de distúrbios do sono, e Cinderela é empresária
Lute como uma garota iStock
  • Publicado em: 03.02.2020
da Redação

E se o sonho da Cinderela não fosse encontrar um príncipe encantado? E se a Rapunzel soubesse que seu destino está muito além de esperar ser resgatada da torre? No recém-lançado livro infantil “Lute como uma princesa”, as autoras Vita Murrow e Julia Bereciartu, a brincadeira é imaginar como seria a vida das princesas a partir de uma perspectiva de igualdade de gênero e independência feminina. Afinal, o que significa ser uma princesa no mundo de hoje, com a ressignificação dos papéis de gênero e novas perspectivas sobre as relações entre mulheres e homens, não só no campo afetivo, mas também trabalhista?

Com tradução de Daniela Gutfreund, o livro acaba de ser editado no Brasil pela Boitatá – selo de literatura infantil da Boitempo Editorial, conhecida no mercado literário por suas obras de forte cunho social e político, o que não poderia deixar de incluir as publicações para o público infantil e juvenil.

“Elas ousaram criar um mundo de princesas poderosas onde Bela é uma destemida detetive e se aventura sem medo pela Floresta Proibida, Rapunzel torna-se uma renomada arquiteta que usa suas habilidades para mudar a realidade de sua comunidade e Cinderela é uma líder trabalhista em busca de justiça para todos”, diz o texto de divulgação da obra.

“Lute como uma princesa” – A obra foi escrita por Vita Murrow, educadora, artista, escritora e mãe. As ilustrações são assinadas pela artista espanhola Julia Bereciartu.

Nas releituras dos contos de fada, o foco está na autoestima, autoconfiança, empatia e coragem das protagonistas. O resultado é um livro que instiga os mediadores de leitura e demais adultos que tiverem contato com a possibilidade dessa leitura, refletirem sobre a importância da representatividade nos textos para crianças. O livro brinca com os papéis sociais atribuídos às princesas, que, se nos contos originais, poderia favorecer a sua fragilidade, aqui coloca as mulheres como capazes de transformar suas histórias. Ao todo, são 15 recontos, direcionados para meninas e meninos em idade leitora, e também para crianças menores em leitura compartilhada com os adultos.

Confira o novo papel social que as princesas desenvolvem no livro:

  • Branca de Neve — criadora do concurso de beleza interior;
  • Bela Adormecida — especialista em distúrbios do sono;
  • Polegarzinha — produtora musical;
  • Rapunzel — arquiteta de renome mundial;
  • Bela, a corajosa — agente secreta;
  • Isabel — estilista;
  • Cinderela—primeira-ministra e empresária;
  • Estrela — dançarina;
  • A menina dos gansos — comediante;
  • A princesa e a ervilha — fundadora do Serviço de Encontros Românticos;
  • A Rainha das Neves — treinadora de esportes de inverno;
  • A pequena sereia — ambientalista;
  • Zade — contadora de histórias e empresária;
  • Evangelina — bióloga e exploradora;
  • A chapeuzinho vermelho — guarda-florestal e Amiga Fiel da Floresta.

Leia mais:

Afinal, para que ‘serve’ a literatura infantil?

Resumo

No livro "Lute como uma princesa", as histórias são focadas em autoestima, empatia e representatividade. A partir de releituras que colocam as mulheres em novos papéis sociais, o livro busca redefinir o que significa ser uma princesa no mundo de hoje.
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail