Carregando...

Em novo livro, Krenak reflete: que futuro deixaremos às crianças?

"Qual é o mundo que vocês estão agora empacotando para deixar às gerações futuras?", reflete o pensador no recém-lançado "Ideias para adiar o fim do mundo"
krenak
  • Publicado em: 17.07.2019
por

Quando o pensador indígena brasileiro Ailton Krenak fala, é recomendado que se escute. De preferência, com os ouvidos arregalados e uma escuta muito atenta ao que ele diz nas entrelinhas.

Por isso, é de se comemorar que ele esteja lançando um livro novo, “Ideias para adiar o fim do mundo”, lançado pela Companhia das Letras na Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), que aconteceu entre os dias 10 e 14 de julho, em Paraty (RJ), onde o autor participou de uma série de debates e esteve no programa principal da festa, em uma mesa ao lado do diretor de teatro José Celso Martinez Corrêa, o Zé Celso.

Com um tom objetivo e direto, mas ao mesmo tempo poético e afetivo, o professor deixa um convite para nós leitores, enquanto sociedade, repensarmos nossas escolhas – sociais, políticas, ambientais – a fim de garantir algum futuro para as gerações futuras. “Qual é o mundo que vocês estão agora empacotando para deixar às gerações futuras?”, questiona.

Após o fim da Flip, veio a notícia de o livro de Krenak está entre os mais vendidos da festa, em terceiro lugar, seguido pela portuguesa Grada Kilomba (“Memórias da Plantação – Episódios de racismo cotidiano”, Cobogó) e pela nigeriana Ayobami Adebayo (“Fique comigo”, Harper Collins).

Confira a sinopse de “Ideias para adiar o fim do mundo” – Desde seu inesquecível discurso na Assembleia Constituinte, em 1987, quando pintou o rosto com a tinta preta do jenipapo para protestar contra o retrocesso na luta pelos direitos indígenas, Krenak se destaca como um dos mais originais e importantes pensadores brasileiros. Ouvi-lo é mais urgente do que nunca. Ideias para adiar o fim do mundo é uma adaptação de duas conferências e uma entrevista realizadas em Portugal, entre 2017 e 2019.

O Lunetas repercute, nesta matéria, alguns trechos desta obra, em que ele disseca os caminhos que a humanidade percorrer (ou deixou de percorrer, em muitos casos) para chegarmos até esse estado de coisas. Ele fala da questão socioambiental, sim, mas não só. Antes de mais nada, Krenak, que nasceu no Rio Doce e o tem como seu avô, resgata uma das perguntas principais que permeia a existência do ser humano na Terra: onde foi que nos perdemos da nossa própria humanidade?

O título do livro é um misto de chamada para a reflexão e brincadeira, porém, do tipo de brincadeira séria de que tanto entendem as crianças. Para Krenak, enquanto houver alguém que puder renovar a narrativa vigente para uma outra, estaremos lutando na contramão do nossos extermínio enquanto espécie. “Minha provocação sobre adiar o fim do mundo é exatamente sempre poder contar mais uma história. Se pudermos fazer isso, estaremos adiando o fim”, afirma o autor.

“Como justificar que somos uma humanidade se mais de 70% estão totalmente alienados do mínimo exercício de ser?”

Qual futuro teremos?

Confira alguns trechos do livro “Ideias para adiar o fim do mundo”:

“O que é feito de nossos rios, nossas florestas, nossas paisagens? Nós ficamos tão perturbados com o desarranjo regional que vivemos, ficamos tão fora do sério com a falta de perspectiva política, que não conseguimos nos erguer e respirar, ver o que importa mesmo para as pessoas, os coletivos e as comunidades nas suas ecologias. Para citar o Boaventura de Sousa Santos, a ecologia dos saberes deveria também integrar nossa experiência cotidiana, inspirar nossas escolhas sobre o lugar em que queremos viver, nossa experiência como comunidade.

“Precisamos ser críticos a essa ideia plasmada de humanidade homogênea na qual há muito tempo o consumo tomou o lugar daquilo que antes era cidadania”

“Nosso tempo é especialista em criar ausências: do sentido de viver em sociedade, do próprio sentido da experiência da vida. Isso gera uma intolerância muito grande com relação a quem ainda é capaz de experimentar o prazer de estar vivo, de dançar, de cantar. E está cheio de pequenas constelações de gente espalhada pelo mundo que dança, canta, faz chover. O tipo de humanidade zumbi que estamos sendo convocados a integrar não tolera tanto prazer, tanta fruição de vida. Então, pregam o fim do mundo como uma possibilidade de fazer a
gente desistir dos nossos próprios sonhos.”

“Definitivamente não somos iguais, e é maravilhoso saber que cada um de nós que está aqui é diferente do outro, como constelações. O fato de podermos compartilhar esse espaço, de estarmos juntos viajando não significa que somos iguais; significa exatamente que somos capazes de atrair uns aos outros pelas nossas diferenças, que deveriam guiar o nosso roteiro de vida.”

“Mamar sem medo, sem culpa, sem nenhum objetivo. Nós vivemos num mundo em que você tem de explicar por que é que está mamando. Ele se transformou numa fábrica de consumir inocência”

“Qual é o mundo que vocês estão agora empacotando para deixar às gerações futuras? O.k., você vive falando de outro mundo, mas já perguntou para as gerações futuras se o mundo que você está deixando é o que elas querem? A maioria de nós não vai estar aqui quando a encomenda chegar. Quem vai receber são os nossos netos, bisnetos, no máximo nossos filhos já idosos. Se cada um
de nós pensa um mundo, serão trilhões de mundos, e as entregas vão ser feitas em vários locais. Que mundo e que serviço de delivery você está pedindo? Há algo de insano quando nos reunimos para repudiar esse mundo que recebemos agorinha, no pacote encomendado pelos nossos antecessores; há algo de pirraça nossa sugerindo que, se fosse a gente, teríamos feito muito melhor.”

Assista na íntegra à mesa de Ailton Krenak na Flip 2019:

Leia mais:

Krenak: ‘O que as crianças aprendem ficando presas? A fugir’

Resumo

Em seu novo livro, "Ideias para adiar o fim do mundo", o pensador indígena Ailton Krenak fala sobre os rumos da humanidade a partir das escolhas - sociais, políticas e ambientais - que tomamos enquanto sociedade.
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail ou WhatsApp