Risco de evasão escolar é maior para estudantes com deficiência

Pesquisa mostra desigualdades no acesso ao ensino remoto na perspectiva de estudantes com deficiência
iStock/Arte Lunetas
  • Publicado em: 29.06.2022
da Redação

Estima-se que 1 a cada 10 estudantes com deficiência não teve nenhuma aula com recursos de acessibilidade ao longo do período de pandemia, além de 59% ter raro contato ou nunca ter recebido atendimento especializado especial (AEE), serviço de educação especial regulamentado por lei. Estes e outros dados voltados a estudantes com deficiência estão disponíveis na pesquisa “Desigualdades no acesso ao ensino durante a pandemia”, lançada no início de junho, pelo Plano CDE, Fundação Lemann, Itaú Social e Banco Interamericano de Desenvolvimento. A publicação possui quatro tópicos principais de análise (acesso ao ensino remoto, reabertura de escolas, percepções sobre o aprendizado e perspectivas sobre o futuro). 

Além da falta de acessibilidade, há uma tendência maior entre estudantes com deficiência não estarem frequentando a escola. Os fatores principais para a evasão escolar consistem no risco à saúde (64%) e falta de profissionais de apoio necessários (20%). Apesar de existir uma maior oferta de apoio psicológico voltado para estudantes com deficiência e a sensação de otimismo ser maior quando comparados a estudantes sem deficiência, o despreparo para o retorno presencial atinge 59% dos estudantes com deficiência. 

  • 48% dos responsáveis pelos estudantes acreditam que eles se sentem com dificuldades para manter uma rotina de estudos;
  • 32% veem dificuldades no relacionamento com professores ou colegas;
  • 28% acreditam que eles têm mais risco de desistir da escola, seja por não conseguirem acompanhar as atividades (31%) ou não se sentirem acolhidos (25%).

Cenário durante a pandemia

O WhatsApp foi a principal ferramenta para obter orientações e material didático durante o ensino remoto, com 73% dos estudantes com deficiência utilizando a plataforma. Aulas com recursos de acessibilidade, materiais didáticos adaptáveis (ou com recursos de acessibilidade) e contato escolar foram relatados pela maioria dos estudantes como disponíveis durante todo o período remoto ou em alguns momentos. Porém, o AEE teve maior dificuldade de acesso: apenas 23% acessaram o recurso durante todo o período de aulas remotas. 

A reabertura das escolas teve uma evolução na frequência escolar dos estudantes com deficiência: 79% voltaram a frequentá-las. As principais ações de apoio ao retorno estão sendo, em sua maioria, pautadas em disponibilizar professores para responder dúvidas de alunos e responsáveis (72%);  enviar informações sobre o estudante (70%); reuniões com responsáveis e equipe escolar (69%); e avaliações para entender as dificuldades dos alunos (66%).

Leia mais

Educação inclusiva: acolhendo crianças com deficiência na escola

Resumo

Apesar de mais otimistas para o retorno presencial, estudantes com deficiência enfrentam maior desigualdade no acesso ao ensino remoto - 47% sequer tiveram acesso ao atendimento educacional especializado (AEE), garantido por lei, no contraturno das aulas.
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail