Proteger os direitos reprodutivos da mulher é cuidar da criança

Utilizado por atriz, mecanismo legal de entrega voluntária para a adoção é exercício ativo dos direitos reprodutivos e também uma forma de proteger as crianças
iStock/Arte Lunetas
  • Publicado em: 27.06.2022
da Redação

Na mesma semana em que a conduta de uma juíza dificultou o acesso ao aborto legal a uma criança de 11 anos violentada sexualmente, chegou a conhecimento público a gestação da atriz Klara Castanho, 21, que teve sua privacidade violada por influenciadores, equipe médica e profissionais de comunicação. Também vítima de violência sexual, Klara optou por entregar para a adoção a criança gerada do estupro. O procedimento é legal e está previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), porém não impediu a atriz de sofrer ameaças e julgamentos dos envolvidos no caso.

A possibilidade legal de entregar uma criança para a adoção é conhecida como “Lei da entrega voluntária”, um processo totalmente assistido pela Vara da Infância e da Juventude. O ato não incide em abandono de recém-nascido, que possui pena prevista de 1 a 6 anos.

Apesar do mecanismo visar evitar práticas proibidas, como aborto fora dos casos previstos na lei, abandono de bebês e adoção irregular, a legalidade do procedimento ainda é desconhecida por muitos, sendo adicionado ao ECA apenas em novembro de 2017.

O que diz o ECA?
Art. 19-A. A gestante ou mãe que manifeste interesse em entregar seu filho para adoção, antes ou logo após o nascimento, deve ser encaminhada à Justiça da Infância e da Juventude (incluído pela Lei nº 13.509, de 2017), sem constrangimento, ou seja, sem pressão ou julgamento de valor negativo por parte dos profissionais envolvidos.

Nos parágrafos subsequentes, destaca-se a garantia do direito ao sigilo do nascimento (parágrafo 9), fazendo com que o Ministério Público de São Paulo (MP-SP) tenha começado a apurar a violação de sigilo profissional envolvendo a enfermeira que vazou dados da atriz.

O ato é também uma forma de proteger a criança e garantir seus direitos, como afirma Pedro Hartung, advogado e diretor de políticas e direitos das crianças do Instituto Alana, em manifestação nas suas redes sociais. “Comparar entrega voluntária com abandono de incapaz é, no mínimo, falta de conhecimento com requintes de perversidade; quem entrega para adoção, reconhecendo seus próprios limites e capacidades de cuidado, permite que a criança seja cuidada adequadamente por uma família adotiva.

Escolher ter ou não um filho é um direito

O caso envolvendo Klara Castanho expõe um profundo desconhecimento do público sobre direitos sexuais e reprodutivos das mulheres. Segundo o Ministério da Saúde, os direitos reprodutivos incidem no poder da decisão, livre e responsável, de querer ou não ter filhos, somada ao direito de acesso à informações, meios, métodos e técnicas para ter ou não crianças. Também é direito exercer a sexualidade e a reprodução livre de discriminação, imposição e violência.

Leia mais

Caso Wallace reforça a importância do processo legal de adoção

Resumo

A atriz Klara castanho sofreu violência após ter sido divulgado que entregou para adoção uma criança gerada por estupro. O mecanismo legal utilizado por ela está previsto no ECA e é uma forma de garantir os direitos reprodutivos da mulher e proteger as crianças.
Ir para o início
Alguma dica ou sugestão? Encontrou um erro? Clique aqui e compartilhe com a gente!

Tenha Lunetas no seu e-mail

Últimos posts